segunda-feira, 21 de junho de 2010

Depravação Total da Humanidade: teoria desnecessária

Fui apresentado ao calvinismo em 1989 aos 15 anos de idade, quando não havia sequer 1 ano do meu novo nascimento, quando renasci a partir da vida de Deus que passou a habitar em mim. Embora não tivesse lido o Novo Testamento inteiro até aquele momento, as idéias calvinistas desde o princípio não me passavam a impressão de serem bíblicas. Sempre foi claro para mim pela a leitura dos Evangelhos que a salvação era um desejo e uma oferta de Deus para toda a humanidade, só que a maior parte dela a rejeita.

O calvinismo é um corpo teórico imbricado e labiríntico da Reforma Protestante criado para explicar o “simples” Evangelho, sistema tão contraditório e confuso que por tal razão acaba sendo a própria negação do Evangelho. É impossível para um calvinista se impuser com sua “doutrina” sem se contradizer. Nunca considerei o calvinismo bíblico. Após milhares de horas e anos a fio estudando tal sistema, comparando-o com a Bíblia, percebi que o calvinismo não somente não era bíblico, é antibíblico. A tentativa de explicar as Escrituras é a própria ininteligização delas. Tamanha é a capacidade desse sistema teórico para desfigurar o caráter de Deus conforme é descrito na Bíblia, que Ele se torna irreconhecível.

Criei tão grande repulsa pelo calvinismo que infelizmente não posso atender aos pedidos de amigos para que eu “pegue leve”, ou evite prosseguir tocando no assunto, a despeito de me relacionar bem com cristãos calvinistas. Mas há uma boa notícia: por hora é o último artigo que pretendo escrever nesta série. Quero clarificar, contudo que não combato pessoas e sim idéias, as idéias de João Calvino e de outros que as abraçaram.
   

O Que Significa Depravação Total?

“A Depravação Total é um dos assim-chamados cinco pontos do calvinismo. Segundo essa doutrina, o homem não regenerado é absolutamente escravo do pecado. Em virtude disto, ele é totalmente incapaz de exercer sua própria vontade livremente para salvar-se. Assim, no que diz respeito à salvação, este homem depende da obra de Deus, que deve vivificá-lo a fim de que possa crer em Cristo” (Wikipédia).  

Ainda segundo essa teoria o homem é incapaz até mesmo de responder positivamente ao chamado de Deus para a salvação. Não pode crer em Cristo se antes Deus não regenerá-lo para isto. Daí conclui que se alguns são salvos é porque Deus “soberanamente” escolheu alguns para salvar.  Esses são os eleitos. Já os não-eleitos ficam proibidos por Deus de crer em Cristo. Alguns versículos bíblicos são utilizados para sustentar tais explanações. 

Rm 3:9b–12: ...tanto judeus como gregos, estão debaixo do pecado; como está escrito: Não há justo, nem um sequer, não há quem entenda, não há quem busque a Deus; todos se extraviaram, à uma se fizeram inúteis; não há quem faça o bem, não há nem um sequer. 

Ef 2:1–3,5: Ele vos deu vida, estando vós mortos nos vossos delitos e pecados, nos quais andastes outrora, segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe da potestade do ar, do espírito que agora atua nos filhos da desobediência; entre os quais também todos nós andamos outrora, segundo as inclinações da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos, por natureza, filhos da ira, como também os demais. ... e estando nós mortos em nossos delitos, nos deu vida juntamente com Cristo – pela graça sois salvos -, ... 

6 Tt.3.3-5: Pois nós também, outrora, éramos néscios, desobedientes, desgarrados, escravos de toda sorte de paixões e prazeres, vivendo em malícia e inveja, odiosos e odiando-nos uns aos outros. Quando, porém, se manifestou a benignidade de Deus, nosso Salvador, e o seu amor para com os homens, não por obras de justiça praticadas por nós, mas segundo sua misericórdia, ele nos salvou mediante o lavar regenerador e renovador do Espírito Santo. 

Jo.6.44: Ninguém pode vir a mim se o Pai que me enviou não o trouxer; e eu o ressuscitarei no última dia 


Ainda de acordo com o calvinismo quando Deus converte um pecador, e o transfere para o estado de graça, Ele o liberta da sua escravidão natural do pecado, e, somente pela graça, o habilita a livremente querer e fazer aquilo que é espiritualmente bom. Mesmo assim, por causa de certas corrupções que permanecem, o homem redimido não faz o bem perfeitamente e nem deseja somente aquilo que é bom, mas também o que é mau. 

Cl.1.13: Ele nos libertou do império das trevas e nos transportou para o reino do Filho do seu amor, ... 

Jo.8.36: Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres. 

Fl.2.13: ... porque Deus é quem efetua em vós tanto o querer como o realizar, segundo a sua boa vontade.

Rm.7.15,18,19,21,23: Porque nem mesmo compreendo o meu próprio modo de agir, pois não faço o que prefiro, e, sim o que detesto. 
Porque eu sei que em mim, isto é, na minha carne, não habita bem nenhum: pois o querer o bem está em mim, não, porém, o efetuá-lo
Porque não faço o bem que prefiro, mas o mal que não quero, esse faço
Então, ao querer fazer o bem, encontro a lei de que o mal reside em mim
... mas vejo nos meus membros outra lei que, guerreando contra a minha mente, me faz prisioneiro da lei do pecado que está nos meus membros. 


O cristianismo é a única expressão de fé, ao contrário de todas as religiões, que afirma ser uma falácia a bondade natural do homem. O filósofo John Locke defendia que o homem nasce como uma tabula rasa, ou seja, em estado de inocência. Por seu turno Russeau, introduzindo a filosofia humanista, dizia que o homem nasce bom e este é corrompido pela sociedade. Semelhantemente, o islamismo expressa que todos os homens nascem puros, naturalmente bons, mas são desviados pelo ambiente. Já para o cristianismo e conforme afirma a Bíblia, o homem nasce em pecado e, não pode ser naturalmente bom. A Bíblia é única escritura a declarar a salvação pela fé e não por obras, sendo estas frutos daquela. 

É óbvio que a idéia do progresso moral do homem, como defende, por exemplo, o kardecismo, não se confirma na história. Com o crescimento de todas as modalidades de violência, o que se percebe é uma involução ou retrocesso moral. O homem não é naturalmente bom e sim pecador, como afirma a Bíblia e a história humana corrobora isto. Entre todas as noções a Bíblia é a única a estar com a razão. Não é opinião pessoal, os fatos atestam isto. Duvida? Você percebeu como a sua cidade está, a cada ano, mais insuportavelmente violenta, e como os noticiários estão cada vez mais banhados de sangue e corrupção?   


Somos Totalmente Depravados?

Que o homem é pecador por natureza é indubitável, defini-lo como imoral ou depravado cabe. Agora é possível afirmar que a humanidade é totalmente depravada como defende o calvinismo?

“Não há ninguém que faça o bem, ninguém que busque a Deus” é um tipo de literalismo que redunda em idéias equivocadas. Embora seja possível afirmar que os homens sejam depravados, é equivocado acrescentar o “totalmente”. Os calvinistas dizem que esse termo refere-se unicamente a “incapacidade total”, simplificação estranha tendo em foco a pesada carga conotativa que tal expressão carrega. O que quer que queira definir, a expressão “Depravação Total da Humanidade” é exagerada. 

Ninguém é totalmente depravado. Nem os maiores déspotas o foram. Em filmes e biografias descobrimos que mesmo Hitler dispensava um tratamento cortês às mulheres e crianças. Quando ele adentrava o banheiro, os colegas apagavam o cigarro em respeito e consideração ao “camarada” Hitler. Se fôssemos totalmente depravados cometeríamos o mal sem restrições, assassinaríamos, nos prostituiríamos, roubaríamos, cometeríamos estupros, gravaríamos filmes pornôs o tempo inteiro. Se a humanidade fosse totalmente depravada já teria chegado a extinção, alguém já teria apertado o botão que daria início a uma sucessão de lançamentos de arsenais nucleares.  Se fossemos totalmente depravados não existiria o humanitarismo. O que falar então dos que salvam vidas? Que a expressão “depravação total” vai além do necessário, é inquestionável.      

A (in)compreensão de que os homens são escravos ou estão mortos e portanto incapazes de responder de forma positiva ao chamado de Deus é outro equívoco. Os calvinistas confundem escravidão ou morte espiritual com escravidão e morte física. Estar espiritualmente escravo ou morto não significa zumbificação da consciência nesta existência. O ser humano claramente é capaz de fazer escolhas morais por que Deus imprimiu Sua lei na consciência de todos os homens, razão pela qual todos são indesculpáveis. O homem está capacitado a escolher o bem ou o mal, a negar ou confessar Cristo. 

Se fossemos totalmente depravados o apóstolo Paulo não teria dito que o querer fazer o bem estava nele, porém não o efetuar”. Teria dito que “querer o mal e praticar o mal” estavam nele. Se fossemos totalmente depravados Jesus não teria dito que os homens “sendo maus, sabem dar boas coisas aos seus filhos”. Teria dito que “sendo maus só sabem dar más coisas aos filhos”

Os textos como o de Romanos apenas mostram que o homem é pecador, em contraposição a Deus, que é santo. Mostram também a incapacidade do homem para salvar-se pelas obras, porque todas as nossas justiças são como “trapos de imundícia” diante de Deus (Is 64.6)

Os calvinistas igualmente afirmam que se o homem tivesse o poder de escolha para aceitar ou rejeitar a salvação, isto daria a ele o mérito pela salvação em caso de sim à oferta divina. Seria um co-salvador com Cristo. Grave insanidade, uma vez que receber o dom da salvação implica exatamente em reconhecer a total incapacidade para salvar-se. Mais um argumento dispensável para afirmar que Deus ama alguns e os predestinou ao céu. Essa foi a idéia básica de Calvino que, entre aceitar que Deus ama a todos sem fazer acepção de ninguém, como afirmam as Escrituras, preferiu acorrentar-se a loucura: que Deus ama alguns e os salvou soberanamente, uma idéia claramente antibíblica e herética.   

Teríamos que mudar uma grande quantidade de versículos para que a Bíblia se ajustasse ao calvinismo. Por exemplo, o texto clássico da evangelização, João 3.16, teria que ficar assim: “Porque Deus amou alguns do mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que alguns pré-programados para nele crê não pereçam, mas tenham a vida eterna”.  


Porque o Livre Arbítrio é Necessário

Seria um crime Deus forçar alguns a irem para o céu a contragosto deles, assim como seria criminoso mandar para o inferno quem não desejasse ir para lá. A salvação é um dom, um presente de Deus e um dom só pode ser entregue a alguém disposto a recebê-lo. O convite divino “escolhei hoje a quem sirvais” (Js 24.15) perpassou os séculos e ecoou em todas as mentes. Só o poder de escolha (e o homem está claramente capacitado para isto) poderia gerar genuíno amor

Não há amor ou lealdade verdadeira quando uma mulher não resiste a um estupro, quando alguém se submete a fazer algo contemplando a ponta de uma faca ou a extremidade de uma arma, não há amor ou lealdade genuínos quando se serve a um regime tirano sob o medo da morte. Só o livre arbítrio seria o portal de entrada para o amor autêntico. Deus queria que o homem e os anjos tivessem o poder e a liberdade de escolha para amá-lo espontânea e livremente. Deus jamais desejou criar autômatos ou marionetes pré-programados em um software espiritual na eternidade passada para amá-lO. 

O livre arbítrio foi a porta de entrada do amor e também a porta de entrada do mal. Só o livre arbítrio explica a origem do mal. Deus não poderia ser responsabilizado pelo mal em Lúcifer, como afirma o hipercalvinismo, pois ele foi criado em perfeição, como registra Ezequiel 28.15. Nem culpabilizado pelo mal no homem, posto que, conforme Eclesiastes 7.29, Deus fez o homem reto, mas este se envolveu em muitas intrigas.

E para os calvinistas que dizem que o livre arbítrio só existiu até o Eden, ele prosseguiu em Caim conforme está registrado em Gn 4.7

Se procederes bem, não é certo que serás aceito? Se, todavia, procederes mal, eis que o pecado jaz à porta; o seu desejo será contra ti, mas a ti cumpre dominá-lo”.

O Livre Arbítrio é evidente e está expresso em Deuteronômio 11.26-28 assim: "Eis que, hoje, eu ponho diante de vós a benção e a maldição: a benção, quando cumprirdes os mandamentos do SENHOR, vosso Deus, que hoje vos ordeno; a maldição, se não cumprirdes os mandamentos do SENHOR, vosso Deus, mas desviardes do caminho que hoje vos ordeno...


Os versículos de Deuteronômio 28.1,2;15 são semelhantes: "Se obedeceres à voz do Senhor teu Deus...todas as bênçãos virão sobre ti..." (b) "Mas se não deres ouvidos à voz do Senhor teu Deus...virão sobre ti todas estas maldições... 

E para aqueles que acreditam que a liberdade de escolha fere a soberania divina, cito Jeremias 18.8-10

Se a tal nação, porém, contra a qual falar se converter da sua maldade, também eu me arrependerei do mal que pensava fazer-lhe. No momento em que falar de uma nação e de um reino, para edificar e para plantar, se fizer o mal diante dos meus olhos, não dando ouvidos à minha voz, então me arrependerei do bem que tinha falado que lhe faria”.


A Soberania Divina e O Livre Arbítrio Humano Não se Excluem Mutuamente

A soberania de Deus é sempre a palavra final. Benção para a obediência e juízo para a rebelião. Salvação para os que crêem e perdição eterna para os incrédulos. E benção ou juízo são condicionais ao nosso arrependimento ou obstinação pelo pecado. Salvação só em Cristo. Assim está determinado pela soberania divina e o homem não pode mudar isto. Lembra-se de Nínive destinada à destruição não o sendo porque se arrependeu?

E enfatizo: para que as idéias calvinistas prevaleçam, uma profusão de textos bíblicos precisaria ser modificada.


A Correta Compreensão da Predestinação 

Quero dizer que a predestinação existe nas Escrituras, entretanto não conforme a ótica calvinista. No Evangelho de Mateus capítulo 10, versículo 16, Jesus diz que “muitos são chamados, mas poucos escolhidos”. Ou seja, há um chamamento geral de Deus para a salvação, um convite a todas as pessoas para que venham a crer em Jesus Cristo como único salvador. Os poucos “escolhidos” são os que foram receptivos ao chamado divino e, portanto, eleitos, predestinados para a vida eterna. Deus já os conhecia antes da fundação do mundo (Rm 8.29,30; 1 Pe 1.1,2) e os conduziu a Jesus conforme João 6.44 que diz: “Ninguém pode vir a mim, se o Pai que me enviou o não trouxer; e eu o ressuscitarei no último dia”

Judas Iscariotes não foi predestinado por um decreto soberano divino (não seria tirano?) para trair Jesus, tanto que o Mestre não desistiu de recuperá-lo até o último minuto. Jesus não excluiu Judas da ceia mesmo sabendo que este iria traí-lo, e até o chamou de amigo. No alto da cruz, Jesus orou pelos “predestinados” a crucificá-lo ou pedir a Sua crucificação: “Pai perdoa-lhes porque não sabem o que fazem”.  E creio que essa oração foi atendida por Deus no dia de pentecostes quando cerca de 3 mil pessoas foram salvas. E foram porque Jesus orou, e creio que muitas daquelas pessoas estavam entre os que pediram a crucificação do Messias.


O Inferno: O Maior Louvor ao Livre-Arbítrio Humano

O inferno é o maior louvor ao livre-arbítrio humano. Não há nada mais lógico. Se alguém, com suas palavras ou atos, declarar: “Deus, deixe-me em paz!”, como fazem os luciferianos, satanistas e ateus, para exemplificar, Deus vai respeitar esse desejo. É como se Deus dissesse assim: “Seja feita a tua vontade! Criei o inferno para o diabo e seus anjos, mas se você quer ficar separado de mim eternamente, tai o inferno para você!” A soberania de Deus é solapada? De modo nenhum, porque a soberania de Deus já decretou qual é o único caminho para a entrada no céu: Jesus. Nenhum ser humano que queira entrar no paraíso conseguirá isto com os métodos da religião. Os que respondem positivamente ao chamamento divino e são predestinados para o céu são os que dizem para Deus: “Seja feita a tua vontade”. E a vontade de Deus é que “todos os homens sejam salvos e cheguem ao conhecimento da verdade” (1 Tm 2.4), é que ninguém pereça, mas que todos cheguem ao arrependimento” (2 Pe 3.9)


Sentença: A Predestinação Calvinista Difama o Caráter de Deus

A opção calvinista de que Deus tiranamente predeterminou quem seria salvo e quem iria passar a eternidade no inferno é indiscutivelmente a franksteinização das Escrituras, a difamação do caráter amoroso de Deus, e se alguém aceitá-la tem que, inescapável e forçosamante, aceitar que a Bíblia é contraditória. Tudo o que foi defendido nos últimos artigos é a única opção coerente. A teoria predestinalista precisa ser rejeitada e, melhor, denunciada como aberrante. 


Convite à Razão

Findo por hora minha saga anti-calvinista, podendo retomá-la se julgar necessário em qualquer tempo. Deixo claro que não estou combatendo os calvinistas. Entendo que são meus irmãos na fé. São salvos (exceto os que são crentes nominais), porém o erro deles é terem feito de Calvino um “papa infalível” e acreditar que foram salvos por terem sido selecionados como “favoritinhos” de Deus na eternidade passada. Não posso e me recuso a aceitar e respeitar um sistema teórico que transforma Deus em um Hitler divino, que selecionou a sua raça ariana espiritual na eternidade passada para a salvação, baseado numa injusta arbitrariedade, trazendo aos demais a “solução final” do tipo hitleriana: o inferno. Rejeito a idéia de que Deus é o autor de uma apartheid espiritual, que não ama a todos, que odeia a maioria e mostra isso enviando-os gratuitamente ao tormento eterno, que não deseja que  ímpio se arrependa, ao contrário, que se dane, que detém a autoria do mal, culpado pelo pecado daquele que o nega. 

Definitivamente, o “deus” de Calvino não está na Bíblia.

No entanto, ser anti-calvino não dá o direito a ninguém de me rotular de arminiano. Os arminianos também erram ao acreditarem que o crente pode perder o dom da salvação depois de recebê-lo. Compreendem mal à perseverança dos crentes, ou o “cair da graça”. Salvação não é algo que se conquista ou se perde por mérito ou demérito. Se assim fosse, a salvação seria pelas obras e não por fé. Todos os que são salvos perseveram na fé. E mesmo que se afastem temporariamente dos caminhos de Deus, como “filhos pródigos” voltam e se reconciliam com o Pai. Alguém rejeitar a salvação depois de recebê-la é algo estranho. Novo nascimento desfeito? Representação estética do grotesco! Como ficariam então os textos de Jo 5.24 e 10.27-29? Entendo que os apóstatas nunca foram salvos, embora tenham experimentado alguns benefícios de Cristo.

Nem calvinista, nem arminiano. Tenho plena certeza que os apóstolos condenariam as correntes teológicas e os rótulos separatistas. Sejamos apenas bíblicos!

Com efeito, um sistema religioso é desafiado. Tentar me enquadrar não funciona, sou um pensador livre dos esquemas prontos, norteado apenas pelas Escrituras. Pensamentos teológicos são retidos positivamente em minha mente somente em se coadunando com a “Palavra”. Severo? Sim, se julgar pertinente. Estou cansado da ética permissiva do aberrante e do medonho, blindadora do biblicamente aparente, todavia profano. Deus como um tipo de Hitler? Não me curvarei ao politicamente correto que declara herege o pseudocristão, mas que se cala diante do que confunde e divide o corpo de Cristo.  

Os que apontam para as esquisitices do calvinismo são acusados de antiintelectualismo. Em revanche, evidencio em minhas letras o pseudointelectualismo travestido de útil, mesmo que o caráter de Deus seja desfigurado, tornado irreconhecível. Não sou antiintelectualista, detesto a ignorância. Deus também, afinal, declarou que seu povo é destruído por falta de conhecimento. A ignorância - e o emocionalismo – é a mãe de muitos aliciados, mormente no cristianismo contemporâneo. 

Estou preparado para estar só, não nas idéias - posto que a maioria dos cristãos de todas as épocas sempre pensou de modo semelhante a mim - mas no enfrentamento do óbvio: não tocar no assunto. É uma maneira de curto-circuitar os efeitos de uma alucinação coletiva que ocasiona deslumbramento em alguns. Em mim prefiro a repulsa de um sistema teórico que torna em turbulência a objetividade bíblica.

Fica o convite ao leitor não discordante que reverbere esta mensagem aos vitimizados pelo terror dissuasivo para que vejam a sua servidão da asneira. Aos compactuantes com o que aqui é combatido que, a partir de uma avaliação intelectualmente honesta, elaborem uma compreensão revisionista e coadunante com as Escrituras. 


Conclusão

Finalizo com uma frase: só as Escrituras. Ironicamente originada na Reforma que concebeu algumas idéias combatidas aqui. A primeira das 5 solas, corretamente criada, mas negada na prática quando idolatricamente os escritos de Agostinho, Lutero e Calvino, além de confissões e catecismos sobrepõem-se em número de citações à própria Bíblia. Somente a leitura da Bíblia é suficiente para que, com os olhos da graça, entendamos as verdades reveladas por Deus. Sola Scriptura é uma necessidade mesmo. Seja muito cauteloso com teorias teológicas que querem enquadrar Deus, colocá-lO numa embalagem religiosa. As estranhas teologias como Graça Irresistível só estendida por Deus aos eleitos, Expiação Limitada, etc, precisam ser postas à prova para que saibamos se estão de acordo com a palavra de Deus ou não. Sigamos sempre o paradigma dos bereanos que procuravam saber se os ensinos de Paulo eram conforme às Escrituras. Você crê que Deus teria o prazer de destinar bilhões de pessoas ao inferno sem lhes permitir qualquer escolha? Mistério??? Isto é rebaixar o Pai celeste à categoria de ser humano vil. É impossível conciliar tais doutrinas com a Bíblia! Mantenha uma distância bem definida da irracionalidade! 

O leitor tem a oportunidade de exercitar seu livre arbítrio. Escolha a quem servir: ao deus Calvino ou ao Deus da Bíblia.

Em Cristo, que nos chamou para vivermos em liberdade, inclusive para discernirmos as doutrinas religiosas humanas feitas divinas, porém sendo contrárias as verdadeiras Doutrinas Escriturísticas.


Por Sandro Moraes


São Luís-MA/Brasil


Próximo artigo: Salvação.

12 comentários:

Presb. Fabio Scofield disse...

Olá! Irmão Sandro, Graça e Paz...

Louvo a Deus pela sua vida, e pela sua capacidade de defender a verdade bíblica, diante de um tema tão polemico, e maçante, como as (cinco solas calvinistas). Confesso ao amado, que, às vezes, eu tenho vontade de comentar alguns assuntos sobre salvação com os irmãos reformistas, mas desisto, não tenho argumentos; tenho até desistido de seguir alguns blogs, por não me sentir a vontade para comentar os assuntos neles abordado.
No, mas, quero agradecer a sua visita ao meu blog, certamente seus comentários, concordando ou criticando, serão sempre bem vindos, e irão enriquecer o meu trabalho. Parabéns pelo seu maravilhoso trabalho, não desistam não, precisamos da sua sabedoria e sinceridade neste tema, que muito nos edifica.

Deus abençoe a sua vida e sua família....

Sandro Moraes disse...

Querido, Fábio, Paz! Bem vindo! De fato, deveríamos nos preocupar unicamente com a pregação do evangelho. Lamentavelmente temos que denunciar o "evangelho" dos lobos roubadores e os "evangelhos" místicos do movimento da fé. Entretanto igualmente entendo que é conveniente examinar biblicamente as teologias defeituosas, a despeito de serem históricas. Quando alguém entende que "Deus" predestinou bilhões de pessoas para o fogo eterno, na verdade, como Calvino e Agostinho, confundiu Deus com o diabo. Nossa prioridade é a evangelização, mas se houver necessidade de enfrentamento do que aqui me propus a combater, nos meus artigos você encontrará argumentos convincentes e, o que é relevante, alicerçados numa quantidade considerável de textos bíblicos extraídos do AT e NT, e contextualizados. Entendo também que "profundidade" que ocasiona fraturas no corpo de Cristo, e "mistérios" insondáveis não se harmonizam com a escritura que primeiramente nos desafia a compreendê-la. Mistério para justificar o que é confuso se adequa melhor ao místico-esotérico e não a Bíblia. Abraço!

Anônimo disse...

Achei muito interessante, peço desculpas pelos calvinistas que acham que são os dono da razão, sou calvinista e não tenho nenhum problema com arminianos, mas gostaria de enfatizar algumas coisas, a reforma aconteceu em meio a inumeros abusos teológicos da Igreja Romana, A teologia reformada é a teologia oficial da igreja protestante e nunca fio acúsada de herética ou qualquer outra coisa, acontece que hoje temos um antropocentrismo araiguado na mente da sociedade moderna, onde o homem é o centro de tudo, tanto no mundo e também dentro da igreja, e pode ter certeza a teologia reformada é cristocêntrica, em nenhum aspecto dá louvor ao homem, muito menos na sua salvação.

Alan Capriles disse...

A paz!

Acabo de conhecer seu espaço através do blog da Rô. Parabéns pelos artigos. Já me tornei seguidor.

Também compartilho de sua posição quanto ao calvinismo e arminianismo. Fiquei impressionado porque penso exatamente igual, e não me rotulo nem uma coisa nem outra pelas mesmas razões que você. Pretendo em breve também escrever sobre isso.

Quando puder, visite meu blog e comente alguma coisa por lá:
http://alancapriles.blogspot.com/

Um forte abraço, na paz do Senhor Jesus!

Anônimo disse...

Estou mto atrasado no comentário... mas como não tenho hábito de ficar lendo blogs, e o fiz isso hj, certamente Deus tem um propósito com essa leitura.
Achei interessante suas argumentações e mto bem defendidas e até embasadas, mas, creio que o IRMÃO peca em dizer que o Calvinismo é anti-bíblico.
Usando das "manobras" que a lígua portuguesa nos permite fazer, sua argumentação, para os mais incautos, gera uma resposta positiva imediata, mas, para os mais cautelosos(zelosos)qdo se aprofunda na divisão de águas que o tema sugere, eles perceberam nitidamente que o AMADO IRMÃO apenas faz um jogo de palavras(ao bel prazer) para "iludir" e chegar ao ponto que quer, ou seja, psicologicamente o seu texto leva àqueles(incautos) a uma resposta positiva e por conseguinte "concordam" prontamente com tdo o que está escrito e dessa forma o "irmão" se torna um "excelente" articulista e rapidamente "ganha" a admiração e o LOUVOR dos seus seguidores.

"Irmão" aconselho-o(se é que o posso fazer-lhe)a considerar duas coisas importantes:
1- Se DEUS é onipontente, onisciente e onipresente, Ele certamente está na eternidade futura e passada e CONHECE todos os salvos e não salvos... concorda?... daí então PODEMOS afirmar categoricamente que a salvação não é um estado de escolha ou consciência humana(ainda que ele tenha responsabilidades com a salvação) e sim uma ELEIÇÃO de DEUS(pq na doutrina da onipotÊncia de DEUS, todos nós não podemos descrer que ELE sabe de todos os que serão salvos... ou podemos descrer dessa doutrina tão fundamental?);
2: Se a salvação é pela graça(como vc mesmo afirmou categoricamente através do texto de Paulo aos Efésios) como vc tem a coragem de dizer que o homem pode rejeitar a atração irresistível do ESPiRITO ou ao mesmo tempo "exigir" ser salvo se tal homem precisa da graça. Para os simplistas(pra não dizer HUMANISTAS) é bem melhor acreditar na "doutrina" do livre arbítrio, é mais fácil ocultar-se na hora do erro e ao mesmo tempo receber os lauréis no acerto. A realidade é que a doutrina do livre arbítrio coloca o homem numa situação mto confortável(sem responsabilidades), pq na hora que ele quiser ele pode ser salvo. Se assim for o livro de DEUS, o da VIDA, deve estar todo rasurado... um dia Deus salva, outro dia ele tem que apagar o nome do sujeito pq ele "perdeu" a salvação... q dureza DEUS foi reduzido a uma pessoa como eu e vc que "muda" de opinião a todo instante.

Irmão... leia mais um pouquinho, mas não para vc achar aquilo que vc quer e sim aquilo q a BÍBLIA realmente está falando.

Cego é aquele que não quer ver... CERTO?!.. Mas eu acho que cego mesmo é aquele que "segue" alguém que finge que enxerga.

Autocrítica e caldo de galinha não fazem mal a niguém, coloque um pouco suas barbas de molho... seja mais manso(a despeito da busca pela verdade).

Pb. Alexander Paulo de Sousa
Nova Xavantina - MT

Anônimo disse...

depravaçao total quer dizer que todas as faculdades do homem foram afetadas pelo pecado,
emoçoes,mente,coraçao,vontade.vejamos alguns textos,natureza carnal Rm7.18a25,Rm8.8e13,gl5.17
gl6.8,1jo2.16; Mente carnal Rm1.28,Ef4.17,
col2.18,tito1.15,outros textos Gn6.5e6,gn8.21,
sl51.5,sl58.3,jr13.23,jr17.9.as obras da carne
dominam o homem,se nao fosse a LEI o homem se auto destruiria,Jesus disse que todo aquele que comete pecado torna escravo do pecado jo 8.34;
Jesus disse em jo 8.36 se o filho vos libertar,
verdadeiramente sereis livres,o homem precisa de uma nova natureza 2 pedro 1.3e4.Em RM 8.7 diz
que o pendor da carne e inimizade contra Deus,
pois nao esta sujeita a lei de Deus e nem pode estar.O homem esta morto em seus delitos e pecados,por isso a salvaçao se torna um passar da morte para a vida jo 5.24,1jo 3.14,e igual a uma resurreiçao jo 5.21.A teoria da depravaçao total e necessaria para Bibicamente mostrar que o pecado domina o homem sem Deus,ate a natureza(planeta)sofre por causa do pecado Rm 8.19a22.
Reliioes ensinam seus seguidores a fazerem caridade,mas pensam apenas em si mesmos,vi uma faixa que dizia,SEM CARIDADE NAO A SALVAÇAO,ate o bem que o homem tenta fazer caracteriza egoismo,sabemos que a salvaçao vem de Deus e nao das obras para que nimguem se glorie.Devemos
fazer obras,nao para sermos salvos,mas sim porque somos salvos Ef 2.10.Quando Deus nos salva Ele nos da o Espirito Santo e nos proporciona a vivermos os frutos do Espirito gl 5.22 a 25.Observe a situaçao das pessoas antes da salvaçao e libertaçao feita por Deus,EFESIOS 2.1a3 ELE VOS DEU VIDA ,ESTANDO VOS MORTOS NOS VOSSOS DELITOS E PECADOS,NOS QUAIS ANDASTES OUTRORA,SEGUNDO O CURSO DESTE MUNDO,SEGUNDO O PRINCIPE DA POTESTADE DO AR,DO eSPIRITO QUE AGORA ATUA NOS FILHOS DA DESOBEDIENCIA;ENTRE OS QUAIS TAMBEM TODOS NOS ANDAMOS OUTRORA,SEGUNDO AS INCLINAÇOES DA CARNE E DOS PENSAMENTOS;E ERAMOS,POR NATUREZA,FILHOS DA IRA,COMO TAMBEM OS DEMAIS.Paulo fala do estado de pecado que vive o ser humano,somente Deus tem o poder de mudar a vida desse homem pecador.O proprio Apostolo teve experiencias terriveis quando perseguia as pessoas que nao concordavam com o Farisaismo,Paulo concordou com a morte de Estevao Atos 7.60,parou de perseguir a Igreja quando teve a vida mudada por Deus.
Acedito que temos dificuldade de aceitar certas verdades Biblicas porque elas afetam o nosso ego,o homem quer ser valorizado,elogiado,
importante,faz parte do movimento humanista,
Jean Jacques Rosseau(1712-1778)filosofo Frances do seculo 18,acreditava que o homem era bom,assim iniciou a filosofia humanista que colocou o homem antes de Deus.Ele disse,O HOMEM NASCE BOM E A SOCIEDADE O CORROMPE.
Achei um pouco ousado quando o irmao disse em um de seus artigos que TUDO O QUE FOI DEFENDIDO
NOS ULTIMOS ARTIGOS E A UNICA OPÇAO MAIS COERENTE,A TEORIA PREDESTINALISTA PRECISA SER REJEITADA E MELHOR DENUNCIADA COMO ABERRANTE.
EM OUTRO O IRMAO DISSE QUE ODEIA CALVINO O PAPA PROTESTANTE.
Com todo respeito que tenho pelo irmao mesmo nao
o conhecendo pessoalmente,precisamos ter cuidado
sobre o que nos move a fazer teologia,o odio,a raiva de alguem? o irmao esta tentando criar uma teologia NEUTRA do que ja existe,o que acho impossivel pois qualquer coisa que se pense alem do que ja existe vira heresia.O irmao disse que nao a Calvino e nao a Arminio,porem os seus argumentos sao Arminianos,livre arbitrio
participaçao do homem na salvaçao,tudo teologia Arminiana,alguns argumentos que o irmao usa ja foram refutados.
O irmao esta lutando contra uma teologia que se sustenta entre os protestantes a mais de 450 anos,foi aprovada por homens estudiosos da Biblia,conhecedores do grego e hebraico,homens que dedicaram suas vidas a Deus.
fique na paz de Cristo,
Sanio,Goiania goias.

Sandro Moraes disse...

Oi Sanio, obrigado pela sua visita a este espaço e pelo trabalho de "tentar" refutar os argumentos deste artigo apenas para defender a (sem) noção teologia do deus potentado déspota que afirma ter amado tanto o mundo enviando o seu filho para seu sacrifício substitutivo e provando isto tendo pré-selecionado arbitrariamente bilhões de pessoas na eternidade passada para a condenação eterna quando poderia ter destinado todos para o céu. Não costumo responder aos "desgastados" e "surrados" argumentos (filosóficos) calvinistas embora se quisesse desconstruiria facilmente todos eles porque já os conheço antecipadamente. Não que haja em mim mais habilidade discursiva que em qualquer erudito calvinista. É que, além de nenhum dos argumentos-clichês me surpreender, as más aplicações dos versículos bíblicos que tornam a Bíblia completamente contraditória e tornam difícil encontrar o Deus santo, de amor e de justiça conforme descrito nas Escrituras dentro dos postulados calvinistas facilitam as refutações. Deixo isto, contudo, para futuros ensaios acrescentando que tal tarefa é sempre fácil de ser realizada dadas as ilogicidades e auto-contradições calvinistas que se adotadas tornam a própria Bíblia absurdamente contraditória. Inclusive pretendo escrever em breve acerca da depravação total no aspecto da incapacidade total, mas fica para depois.

O que me motivou a responder ao seu comentário foi a mesma síndrome que costuma acometer os lulistas quando "tentam" blindar os ex-presidente das críticas: O USO DA MENTIRA.

ONDE EU ESCREVI QUE ODEIO CALVINO?

POR FAVOR, ME MOSTRE!

Para defender o seu ÍDOLO vc não precisa lançar mão da mentira assim como eu não preciso de ódio para combater as idéias heréticas do seu "ídolo". Apenas combato... até com relativa tranquilidade e mente pacificada. O seu "deus-papa" que morreu centenas de anos atrás não precisa desse tipo de apologia. Abraço, fique em paz!

Anônimo disse...

ola irmao Sandro Moraes,quero humildimente pedir perdao ao irmao se o ofendi em algum momento,pode acreditar que nao foi essa minha intençao,sei que vc é um estudioso de varios assuntos.Mas quero justificar do porque Eu disse que o irmao odeia Calvino,EM UM ARTIGO CHAMADO PREDESTINAÇAO:EQUIVOCOS DAS NAÇOES FATALISTAS o irmao faz um comentario respondendo o irmao Marcos,esse comentario foi feito por vc no dia 22 de junho de 2010 as 09:25 minutos,onde o irmao diz assim:
QUEM NAO RESPEITO DE MODO NENHUM É´JOAO CALVINO:O PAPA PROTESTANTE. ACHO QUE ESTA CLARO.
Acredito que o respeito seja o minimo de sentimento que posso ter pelas pessoas,isso independente do que elas pensam,de quem sejam,é´
lidar com o diferente sem querer destrui-lo e força-lo a pensar como eu penso.
Podemos ter amigos espiritas,catolicos,
testemunhas de Jeova e outros.A diferença de ideias sobre determinados assuntos nao é motivo
para sermos inimigos dessas pessoas.
quando li que o irmao disse que nao respeita Joao Calvino de modo nenhum,o que eu entendi é´q
o irmao nao respeita o Calvino homem,o Calvino teologo,o Calvino servo de Deus,o Calvino pensador,etc.
QUEM NAO RESPEITO DE MODO NENHUM É JOAO CALVINO,
ACHO QUE ISSO EXPLICA O PORQUE O IRMAO VEM ESCREVENDO ARTIGOS CONTRA A TEOLOGIA DE CALVINO.
O irmao realmente nao escreveu que odeia Calvino
mas nesse comentario fica nitida que o irmao tem
algo contra ele,pois na sua resposta ao Marcos
fica muito claro que a questao é pessoal.
Agradeço pelo irmao ter me respondido espero ter
esclarecido essa questao,desde ja agradeço o irmao e novamente peço perdao se te magoei em
algum momento.
Acredito que para discutirmos teologia nao precisamos de usar palavras agressivas,pois tenho notado que o irmao é´bonzinho com os que concordam com vc,mas com os que discordam é´agressivo.Precisamos aprender lidar com aqueles que discordam de nós.
irmao Sandro fique na paz.
sanio.

Sandro Moraes disse...

Sanio, não há razão para pedir perdão porque vc não me ofendeu em nada.

Sim, tenho algo contra Calvino. Não significa que tenho ódio por ele ou que trata-se de algo pessoal posto que não faz o mínimo sentido ter algo "pessoal" contra alguém morto há mais de 400 anos. Melhor explicando, sou contra o postulado da pré-seleção divina que pré-condenou bilhões de pessoas ao hades, postulado criado por Agostinho e ampliado por Calvino. Considero tratar-se de um sistema antibíblico porque nega todas as passagens que claramente mostram que Cristo sacrificou-se por todas as pessoas, pelo mundo inteiro, razão pela qual combato tal sistema filosófico, e razão suficiente para não respeitar o mais destacado proponente de tal sistema. Desnecessário destacar os frutos do Espírito em Calvino notadamente o assassínio de Servetus. Não me recordo de Cristo ou algum dos apóstolos ordenarem a execução de hereges. Como ficou claro, tenho a opção de não respeitar Calvino nem suas principais idéias que, ao contrário, precisam ser combatidas.

Quanto às palavras agressivas, prefiro substituir pela expressão "palavras contundentes", já que, como vc mesmo reconheceu, chegou a ser escrito que eu teria dito que odiava Calvino o que não é verdade. Daí a "contundência".

E como eu não sei se há sinceridade quando vc me chama de irmão, vc pode colocar a palavra entre aspas como fez o comentarista anterior caso esteja ironizando. Só se for ironia!

Abraço, Deus te abençoe!

Matheus Bertoluci disse...

Amigo, nunca leu romanos 9?

Injustiça da parte de Deus escolher alguns!?

Quem és tu varão!?

Lamentavel....

Anônimo disse...

Sinceramente! O Senhor tem um bom conhecimento, porém, não entendeu muita coisa querido.
qualquer coisa entre em contato.
J.C.Farias07@outlook.com

Glauce Alves disse...

Graça e paz irmão, quero parabenizá-lo pelo artigo...Verdadeiramente não vejo uma total necessidade de preocupação a teorias como esta, sim, acredito que a simplicidade de Jesus em expressar o motivo de sua estadia, quando aqui esteve, não foi regada de teorias ou estudos teológicos. Mas sim da real necessidade de todos aqueles que o "ouvisse" e aceitasse a verdade, apenas a a transmitisse...só a transmitisse que Ele era o filho de Deus e todo aquele que nele crê não pereça.... e pronto!!!!