sexta-feira, 30 de julho de 2010

Negócio pessoal ou passatempo de fim de semana

Por Irailton Melo de Souza*


Uma constatação acerca do exercício do pastorado tem-me deixado perplexo. Conversando com pastores de diferentes denominações e correntes teológicas, de históricos a contemporâneos, de tracionais a pós-modernos, de fundamentalistas a liberais, enfim, não importa, vejo surgirem dois novos tipos de posturas relacionadas à vocação pastoral.

Se de um lado, encontro “pastores” compreendendo suas pequenas (ou grandes) igrejas como grandes negócios, de outro, vejo “pastores” tratando o ministério pastoral como um passatempo de fim de semana, um brinquedinho para as horas vagas.


No tocante aos prejuízos gerados por esses tipos de comportamentos, não tenho como precisar qual o mais ou menos danoso. Mas, fato é: a vocação ministerial bíblica tem acusado o golpe.

A visão de Deus separando alguns para a missão, vasos escolhidos, homens e mulheres que, ouvindo a voz de Deus e “deixando tudo e o seguiram”, igrejas locais reconhecendo os chamados e enviando-os em missão, tem dado lugar a escolhas convenientes de pessoas que simplesmente se mostram “adequadas para o trabalho”; muitas dessas que conheço, porém, não apenas inadequadas como ávidas para estarem num lugar de destaque ocupando os primeiros lugares na sinagoga.

Não me preocupam aqueles que fazem da igreja um negócio, pois as suas obras são logo vistas e suas tramas repudiadas. Preocupa-me, isto sim, aqueles que veem a igreja e o ministério como um brinquedinho de fim de semana, que existe para satisfazer seus egos adoecidos, dominados por ativismos e déficits emocionais.

Há muitas igrejas sendo lideradas por pessoas assim, para quem o Ministério e o Chamado não estão em primeiro plano. Em primeiro plano estão os seus empregos, suas rendas, seu conforto pessoal e o status social e religioso, claro.

E como as igrejas pós-modernas têm gostado desses tipos! Primeiro não dão despesas financeiras, não dependem de “sustento ministerial”; segundo, além de não darem despesas, contribuem financeiramente com elas, ainda mais se aquele é o seu brinquedinho de fim de semana. E como tem gente por aí colocando  grana nesses passatempos pessoais de luxo! Recentemente soube de um empresário que resolveu brincar de ser pastor, e de cara deu 200 mil reais para a “sua” igreja. Como não amar um homem desse? Como não reconhecer o seu “chamado” e a sua “vocação”? Como não achar que foi “Deus” mesmo quem o levantou e o enviou a nós?

Não quero ser mal entendido. Aqui não vai nenhuma crítica ou desmerecimento aos pastores bivocacionados. Sim, há muita gente séria pagando um alto preço de trabalhar secularmente e ainda trabalhar na igreja. São os fazedores de tendas que, à semelhança do apóstolo Paulo, não põem os seus corações nas tendas, nem as veem como fins em si mesmas, mas como meios, canais através dos quais eles cumprem o chamado e a missão que receberam do Senhor. A esses minha total admiração e respeito.

A crítica aqui é somente, tão somente, a essa visão secularizada da vocação ministerial, que fazem pastores e igrejas contemporâneos deixarem a condição de agentes do reino de Deus na terra para se tornarem, respectivamente, animadores de auditório e promotores de programas legais de fim de semana. 

Em fevereiro de 2007 eu tive um texto publico na Página Gospel do Jornal Pequeno intitulado “A Banalização do Chamado Pastoral” (veja +). Lembro de ter recibo algumas criticas reativas por parte de pessoas que discordam da “minha” tese de que se é correto e bíblico afirmar que Cristo fez de cada membro do seu Corpo um sacerdote (Ap 1.6), é igualmente correto e bíblico afirmar que “ele escolheu alguns para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas e ainda outros para pastores e mestres da igreja.” (Ef 4.11).

Agora, se não parece mais conveniente aos cristãos pós-modernos, secularizados  e egocentrizados, acreditarem nas palavras santas das Escrituras, o que mais posso dizer? Absolutamente nada. Quanto a mim, porém, permanecerei fiel às Escrituras e Àquele que me separou para a sua Obra desde o ventre de minha mãe.  



* Pastor da Plenitude – Igreja Movida por Relacionamentos


Brasília-DF

11 comentários:

Emanuel Souza disse...

Olá Sandro,

meu nome é Emanuel, sou evangélico e sou também sociólogo (nesta ordem).

Acompanho seu trabalho no rádio e por conta dele gostaria de convidá-lo a visitar o meu blog:

http://emcrencas.blogspot.com/

Grato,


Emanuel Souza

disse...

Meu Deus... que texto maravilhoso e verdadeiro. Paz seja contigo e os teus em Cristo Jesus meu amigo.

marcos disse...

De fato existem todoas estas coisas, mais confesso que tenho dificuldades para dicernir e identificar estes tipos, pois no mundo do politicamente correto nós leigas ovelhas ficamos muitas vezes sem direção correta ja que tudo hoje parte do presuposto do subjetivo e da intenção do coração é o que se prega, como vou saber da inteção do coração dos outros visto que muitas vezes fica dificil dentro da justificativa de que todos somos humanos e do famoso dizer que " nimguem é de ferro" sinceramente sinto-me perdido neste tirotei de ideias.

marcos disse...

marcos dantas
sandro, eu queria saber por que hj temos tantas denominações, por que na assembleia se fala de batismo no espirito santo com evidencia do falar em linguas? por que se quarda o sabado na adventista isso não é abrir mão da graca e começar a viver pela lei? eu não entendo essa confusão, como pode um calvinista ser salvo se estao no erro? por que os batistas tradicionais tem aversão a termos como "fogo"? por que a universal faz aqueles trabalhos parecidos com magia e ainda assim são ditas evegelicas e os membros não estão perdidos por estarem no erro? como posso dizer que uma pessoa da universal esta salva quando eu disser pra ela que aquilo é pecado e ela não deixar, não é mesmo com relação a um catolico idolatra. Afinal e os execivamente tradicionais que por legalismo tiram a liberdade dada por Deus para seus filhos tambem são salvos? afinal o que devemos seguir a lei ou graça? eceitar tudo isso não é de fato ecumenismo catolico camuflado? por que quando em uma rua tem uma igreja batista, as outras ao invés de procurarem se unir e povoar com seus templos outras ruas vizinhas, logo se instalam na mesma rua uma assembleia X, e oura assembleia Y, e uma adventista e depois uma presbiteriana e mais afrente uma universal, o povo de Deus está unido ou esta divido no intimo de seus intereces e doutrinas humanas e a igreja que chamam de o tabernaculo de branhha que chamam de o profeta elias por que estas questões não são discutidas e esclarecidas as ovelhas de Deus estão sem pastores e norte, pois a direção inicial foi apresentada de forma equivocada. E os erros de tradução das biblias quando serão revistos e os danos causados por estes erros como ficarão? E a manipulação da historia cristã, quando sera que vai parar, por que se idolatra tanto lutero principalmete nas denominções batistas e presbiterianas? sinceramente estamos ao meu ver vivendo tempos de grande engano e lutas terriveis contra o intelecto humano puramente.

Sandro Moraes disse...

Olá Emanuel, Rô e Marcos, obrigado pela visita. Emanuel e Rô, recomendo os seus respectivos blogs.

Marcos, quanto a sensação de sentir-se perdido, considero natural. Diferentes denominações significa diferentes culturas, é só escolher, a igreja de Cristo é composta pelos verdadeiramente nascidos de novo das mais diferentes denominações. As igrejas históricas e as pentecostais clássicas são igrejas de Cristo. Agora, as igrejas neopentecostais de um modo geral são apóstatas. Passe longe delas e de toda igreja centrada na prosperidade e que vive o falso evangelho sem cruz. Se lermos com zelo a palavra teremos as ferramentas para discernir o que é joio e o que é trigo. O amadurecimento dissipa todas essas dúvidas básicas. Quanto ao dom de línguas é um dom bíblico e não sou cessacionista. Só percebo que costuma ser mal utilizado hoje como acontecia na igreja de Corinto. No tocante aos calvinistas, eles são cristãos verdadeiros, embora errem ao interpretar a predestinação seguindo a ótica determinista. Essa compreensão equivocada não os torna uma seita no meu entendimento. Se vc participar de um culto numa igreja calvinista, verá que é cristã, com louvor, adoração e tradicionalmente sermões com qualidade e edificantes. O que me separa deles são as idéias de Calvino, contudo são meus irmãos na fé. Combato as idéias de Calvino no tocante a predestinção. Calvino, Lutero, Agostinho, examino tudo, retenho o que é bom e rejeito o que entendo não ser conforme as Escrituras.

Continua!

Sandro Moraes disse...

A igreja adventista tem várias marcas que a qualifica como seita. Estou sem tempo para detalhar, mas a salvação para eles reside mais na guarda do sábado, que era um mandamento para os hebreus, e menos no sacrifício de Cristo. São os fariseus modernos com estranhíssimas doutrinas como a do bode emissário. Colocam os escritos da falsa profetiza Ellen White em pé de igualdade com a Bíblia. A escatologia dela é também cheia de esquisitices. Possue semelhanças com os testemunhas de jeová.

Um acréscimo quanto as diferentes denominações, algumas diferenças são culturais e outras secundárias no tocante à interpretação de versículos. Todavia em relação aos temas centrais da fé cristã, elas não divergem. Marcos, vc tem muitas inquietações, bom, só não permita que tantos questionamentos debilitem a sua fé. Permaneça firme com os olhos fitos em Jesus, autor e consumador da nossa fé! Deus te abençoe!

Sandro Moraes disse...

Quanto as traduções da Bíblia, recomendo os livros ou artigos de Norman Geisler! Abraço

Sandro Moraes disse...

Quem irá separar o joio do trigo é Jesus. O nosso papel é, como bereanos, discerni um do outro!

Presb. Fabio Scofield disse...

Olá! Irmão Sandro, Graça e Paz...

Muito obrigado pela sua visita e comentário, que sempre será um grande estimulo ao meu humilde trabalho.
Sua postagem é uma realidade inegável, que infelismente, os fieis servos do Senhor, irão sofrer as conseqüências destes atos de irresponsabilidade. Mas como disse o Senhor, o escândalo é inevitável: (E Disse aos discípulos: É impossível que não venham escândalos, mas ai daquele por quem vierem! Melhor lhe fora que lhe pusessem ao pescoço uma mó de atafona, e fosse lançado ao mar, do que fazer tropeçar um destes pequenos) (Lc-17:1,2).

Deus te abençoe, um abraço na esposa...

disse...

marcos temos a obrigação de saber qual a intenção sim, e não é difícil, um lobo não se esconde por muito tempo, Vós tem a unção do Santo ninguém poderá te enganar. O problema é que muitas ovelhas até sabem mas consenti. Paz querido!

disse...

Sandro obrigada pela recomendação ao Mulheres Sábias, também recomendo o seu inclusivo ja esta nos meus favoritos, seu blog é ótimo tem, conteúdo, precisamos mais de blogs como o seu, com críticas construtivas e não para derrubar o criticado. Paz querido!