sábado, 29 de maio de 2010

LENDO A PREDESTINAÇÃO COM AS LENTES DA PRESCIÊNCIA


“Porque Deus nos escolheu nele antes da criação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis em sua presença. Em amor nos predestinou para sermos adotados como filhos, por meio de Jesus Cristo, conforme o bom propósito da sua vontade...”.

“Nele fomos também escolhidos tendo sido predestinados conforme o plano daquele que faz todas as coisas segundo o propósito da sua vontade” (Ef 1.4,5;11).


Os três versículos supracitados formam a base clássica calvinista para assegurar que Deus, em Sua inquestionável soberania, já escolheu alguns para receberem o céu por prêmio, e os demais eleitos para a exclusão desse céu, predestinados ao inferno.

Tais afirmativas focadas em textos isolados levam invariavelmente a conclusão de que a Bíblia é contraditória. Como conciliar tais declarações acima com os versículos que indubitavelmente afirmam que o Pai celeste não faz acepção de pessoas, que nEle não há parcialidade, ou com os textos que dizem que Deus ama a todos os homens e não quer que nenhum se perca, que Deus ofereceu gratuita e graciosamente a salvação ao mundo inteiro?

Simplesmente não há possibilidade de encontrar solução! Ou Deus ama a todos ou Deus ama alguns que foram escolhidos para a salvação. Acreditar que Deus ama a todos e prova isso escolhendo alguns para salvar é um contra-senso que beira a insanidade. Se os versículos de Efésios são suficientes para a compreensão das mecânicas da redenção, somos forçados a dizer, por exemplo, que Pedro mentiu ao escrever que Deus é paciente, não querendo que ninguém pereça, mas que todos cheguem ao arrependimento (2 Pe 3.9b). Somos obrigados a afirmar que os registros de Jo 3.16; 1 Tm 2.4; 1 Tm 2.6; Tt 2.11; 1 Jo 2.2; 1 Jo 4.14 estão errados.

Daí o perigo de se estabelecer doutrinas baseadas em um ou poucos versículos, mormente versículos difíceis ou mesmo obscuros, razão da existência da tantas seitas, realidades residuais da rebeldia com eficiência única para levar adeptos ao afastamento das verdades reveladas nas Escrituras e ao eterno banimento da presença de Deus.

Chegou o momento de esclarecer as discrepâncias a partir de um questionamento intelectualmente honesto. As contradições escriturísticas são apenas aparentes, ou para além da superfície, estão num nível profundo? Erros humanos grosseiros num livro divinamente inspirado, ou nada disso?


Equalizando as contradições

Os calvinistas usam também o capítulo 9 de Romanos para validar sua visão de mundo dos favoritos de Deus. Utilizam por exemplo Rm 9.11-16. Acompanhe:

"Todavia, antes que os gêmeos nascessem ou fizessem qualquer coisa boa ou má - a fim de que o propósito de Deus conforme a eleição permanecesse, não por obras, mas por aquele que chama - foi dito a ela: "O mais velho servirá ao mais novo".
Como está escrito: "Amei Jacó, mas rejeitei Esaú”.
E então, que diremos? Acaso Deus é injusto? De maneira nenhuma!
Pois ele diz a Moisés: "Terei misericórdia de quem eu quiser ter misericórdia e terei compaixão de quem eu quiser ter compaixão"
Portanto, isso não depende do desejo ou do esforço humano, mas da misericórdia de Deus".


Fica a pergunta: acaso o texto diz que Deus elegeu Jacó para mandá-lo para o céu e Esaú para enviá-lo o inferno? Não diz o texto que o a eleição tinha o propósito explanado na frase “o mais velho servirá ao mais novo”? O texto não teria relação com a escolha de um povo por meio do qual viria o Messias e não seria Jacó o pai das doze tribos desse povo?

É claro que Deus teria que eleger um povo de onde viria o salvador da humanidade e uma pessoa para ser o progenitor dessa raça. E aqui sim entendemos com clareza como atua a soberania divina, em contraposição ao esforço ou desejo humano. Deus é quem determina a eleição de um povo a respeito do qual está escrito “a salvação vem dos judeus”.

Algumas versões da Bíblia traduzem a frase “Amei Jacó, mas rejeitei Esaú” como “Amei a Jacó, e odiei a Esaú”. Aqui o apóstolo Paulo toma de empréstimo as expressões do livro de Malaquias 1.3. No caso do último livro do AT o contexto retrata a nação de Israel (Jacó) em contraposição à nação de Edom (Esaú).

Saindo do isolamento desértico de versículos - deixo essa característica para as seitas - e contextualizando com toda a Bíblia, evidentemente Deus não odeia ninguém porque Deus é amor (1 Jo 4.16). Segundo, em Malaquias, Deus não está falando da pessoa Esaú, mas da nação proveniente dele, Edom. Sobre a questão, o raciocínio de Norman Geisler, um dos mais renomados eruditos cristãos - e de Thomas Howe -, é pertinente e digna de aceitação:

“A nação de Edom merecia a indignação de Deus pela ‘violência feita a teu irmão [Israel]’ (Ob 10). Eles se posicionaram ao lado dos inimigos de Israel, fecharam o caminho por onde poderiam escapar, e até mesmo entregaram aqueles que tinham permanecido (vv. 12-14).
Finalmente, como no caso dos nicolaítas, Deus odeia as obras do pecador, mas não o pecador em si. João diz aos crentes que eles devem odiar as obras dos nicolaítas, as quais Deus também odeia (cfAp 2.6)”. (Manual Popular de Dúvidas, Enigmas e Contradições da Bíblia, p. 331).

Como Geisler, muitos eruditos cristãos entendem que, na carta aos Romanos, Paulo está lidando com eleição nacional e não individual. De todo modo o texto de Rm 9.11-16 não têm nada que ver com Deus eleger alguns para o céu e a maioria para o inferno.

Outro texto favorito dos calvinistas é Romanos 9.18: “Portanto, Deus tem misericórdia de quem ele quer, e endurece a quem ele quer”.

Novamente o texto relaciona-se ao cumprimento dos propósitos de Deus aqui na terra, só. Relacioná-lo a predestinação de alguns para o céu e outros para o inferno é estultícia.

Um texto adicional usado pelos predestinacionistas fatalistas é Rm 9.20-22:

"Mas quem é você, ó homem, para questionar a Deus? Acaso aquilo que é formado pode dizer ao que o formou: 'Por que me fizeste assim?’
O oleiro não tem direito de fazer do mesmo barro um vaso para fins nobres e outro para uso desonroso?
E se Deus, querendo mostrar a sua ira e tornar conhecido o seu poder, suportou com grande paciência os vasos de sua ira, preparados para a destruição?"

Também não está relacionado ao exemplo de alguém que estava predestinado a ir para o inferno antes mesmo de nascer, não podendo questionar a Deus sobre esse destino infeliz. Esse trecho precisa ser contextualizado com o capítulo 2 do livro de Romanos, por exemplo, Rm 2.4. Deus não exerce sua liberdade de escolha, de decisões, arbitrariamente. Deus demonstra grande paciência com o vaso para uso desonroso, objeto da sua ira, com a finalidade de levá-lo ao arrependimento. Mas a paciência e a bondade de Deus podem ser rejeitadas.


Presciência: a chave para a compreensão da predestinação

Por fim, felizmente, encontramos na Bíblia versículos que encerram as contradições. O fator determinante é o pré-conhecimento ou presciência de Deus. Nos versículos subseqüentes, preste atenção nas palavras em negrito.

O primeiro texto é Romanos 8.29,30:

“Pois aqueles que de antemão conheceu, também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho, a fim de que ele seja o primogênito entre muitos irmãos. E aos que predestinou, também chamou; aos que chamou, também justificou; aos que justificou, também glorificou”.

O segundo texto é 1 Pe 1.1,2:

“Pedro, apóstolo de Jesus Cristo, aos eleitos de Deus, peregrinos dispersos no Ponto, na Galácia, na Capadócia, na província da Ásia e na Bitínia, escolhidos de acordo com o pré-conhecimento de Deus Pai, pela obra santificadora do Espírito, para a obediência a Jesus Cristo e a aspersão do seu sangue: Graça e paz lhes sejam multiplicadas”.

A Bíblia não poderia ser mais clara. Tudo se baseia no pré-conhecimento de Deus. Vasos para honra ou desonra, vasos de ira, preparados para destruição, eleitos... tudo é determinado pela antevisão dos fatos e pessoas. Deus é onisciente, para Ele passado e futuro é sempre presente. Deus sempre soube quais seriam as pessoas que rejeitariam a salvação e quais se renderiam a Ele em arrependimento e as predestinou:  Aquelas que Deus previu, antes da existência do Universo, que iriam rejeitá-lo, as preparou para serem vasos de ira e desonra. E Deus providenciou para que, aquelas que por vontade própria seriam receptivas ao evangelho, fossem alcançadas pelas boas novas do reino; essas que não resistiriam ao chamado foram predestinadas para serem vasos de honra para a salvação eterna. Tudo se fundamenta na presciência. O chamado para salvação é para todos, porém somente são salvos os que aceitam tal chamamento.

A palavra de Deus é realmente fantástica, deixou dois registros objetivos para conciliar as aparentes contradições entre os versículos que parecem afirmar que Deus escolhe arbitrariamente quem vai para o céu e, portanto só amando alguns, com os textos que dizem que Deus ama a todos, não desejando que nenhum morra, mas que todos se arrependam, posto que o sacrifício de Cristo na cruz foi em prol de todo o mundo.

Aqueles que de antemão conheceu seriam aqueles que Deus anteviu que ao ouvir Sua voz não endureceriam o coração; seriam aqueles que ao ouvir a batida de Jesus na porta do coração, abririam a porta; esses, Deus conheceu, predestinou, justificou e glorificou. São os escolhidos conforme o pré-conhecimento de Deus Pai.

“Deus, de forma clara, certificou-se de que o evangelho seria apresentado a todos que Ele sabia que creriam em sua palavra. Portanto, a presciência é a chave da predestinação” (Dave Hunt, Em Defesa da Fé Cristã, p. 305).

Agora fica até mais clara a predestinação de alguns para ministérios. Novamente a base é a presciência, como foi o caso do profeta Jeremias.

"Antes de formá-lo no ventre eu o escolhi; antes de você nascer, eu o separei e o designei profeta às nações" (Jr 1.5).

Trata-se de comissionamento baseado no direito soberano divino de convocar alguns para serviços específicos. No caso de Jeremias, serviço profético.

Alguns dizem que a presciência determina a predestinação. Prefiro conjecturar em minhas limitações humanas que pré-conhecimento e predestinação são dois atributos que coexistem num só ato de Deus.

Nos próximos artigos veremos que há uma profusão de versículos no AT e NT que mostram explicitamente a responsabilidade do homem em rejeitar ou receber a salvação em Cristo. E como a livre escolha humana não compromete a soberania de Deus. Os versículos são numerosos. Lamentavelmente a religião opta pelos versículos em menor quantidade e mais difíceis para alimentar heresias pertubadoras que não se apresentam como tais. Para os princípios essenciais da palavra de Deus não deve haver democracia. Entre dois posicionamentos antagônicos concernentes a salvação, um é verdade e o outro é mentira. Desnudar para desconstruir o que historicamente se apresenta como esquema explicativo da verdade sendo ao contrário uma mentira é uma necessidade.



Em Cristo que nos liberta das vacas sagradas das teologias humanas para vivermos sem os fardos religiosos adoecedores.



Por Sandro Moraes



Continua



Próximo artigo: Livre-arbítrio

34 comentários:

Rev. João d'Eça disse...

Olá Sandro. Boa Noite.

Permita-me com todo respeito discordar da argumentação que você usou no post.

1 - Você não usou nenhum dos argumentos de teólogos respeitadíssimos da Reforma e pós-reforma. Os postulados de Lutero, Calvino, Zwinglio, Melanchton e outros, não são simplórios como você os faz parecer. Desafio você a estudá-los com a mesma seriedade com a qual ouví você dizer no seu programa de rádio, que está "estudando o Marxismo".

Beira a Insanidade? Isso é mera retórica ou é aquilo que os jornalistas fazem: Usam frases de efeito para gerar polêmica?

- O escritor Richard Dawkins, autor de "Deus um delírio!", usa uma argumentação semelhante. Ele questiona os postulados religiosos, não de Calvino, Lutero, Agostinho, Tomás de Aquino e outros. Ele rebate o sentimento religioso e a fé com base na fé de D. Maria e de seu José, pessoas simples, que não tem nenhuma chance diante dos princípios matemáticos dele.

Se Dawkins usasse os postulados de Calvino (Institutas - 4 volumes), de Lutero (que escreveu 60 mil páginas e um livrinho fantástico que tem em português , "Nascido Escravo"), se ele ainda refutasse os argumentos da Confissão de Fé de Westminster e dos Catecismos Maior e Breve, poderia ser um pouco respeitado, porque estaria refutando alguém do mesmo nível, ai a briga era boa!

Quando você diz que a doutrina da "Presciência é a chave para a Presdestinação", esse é um postulado arminiano, que já foi refutado a quase 500 anos. Lutero, refutou, Calvino, refutou, os puritanos, refutaram, os Cânones de Dort, refutou, A Confissão Belga, refutou, a Confissão de Westminster, refutou, A Confissão Batista de 1689, refutou, Charles Hodge, refutou, Wayne Gruden, refutou, Charles Hadonn Spurgeon, refutou e Louis Berkhof, refutou.

Como você pode ver, esse tema não é simplório. É preciso fazer o que você está fazendo, procurando conhecer, pesquisando em profundidade, afinal o verdadeiro tesouro está no fundo, é necessário um mergulho bem fundo para alcançarmos o Baú do Tesouro.

Boa noite.

Rev. João d'Eça

Sandro Moraes disse...

Rev. Deça, meus respeitos, prazer receber seus comentários! Primeiramente, é possível facilmente desconstruir os argumentos de Dawkins com filosofia da ciência sem a necessidade de usar argumentos de grandes teólogos. Dawkins parte de bases equivocadas para prosseguir em erro. Falsa erudição para agasalhar ignorância. Assim como o cientista criacionista usa de informações científicas para mostrar que o evolucionismo é uma impossibilidade científica, e o faz com argumentos filosóficos a partir das informações da própria ciência, o mesmo pode ser feito no tocante a Dawkins. Ele nem merece tanto esforço para que os delírios dele sejam denuciados como tais: delírios!

Quanto aos reformadores citados, digo: estudo religiões e a Reforma Protestante desde 1988 quando conheci Jesus aos 14 anos, e quando era da igreja Batista Central aqui em São Luís conheci calvinistas e suas idéias. Comecei a estudar os reformadores em livros de história e teológicos. Estudei muito mais que o próprio marxismo. NUNCA CONSIDEREI COMO BÍBLICOS muitos dos princípios da teologia reformada desde o princípio. Todos os reformadores que defenderam a idéia de um Deus que escolheu quem salvar baseado em sua soberania estavam errados. Legaram quase 500 anos de erro, erro de difamar o caráter de Deus que para eles elege seus favoritos. Entendo que temos que examinar tudo e reter o que é bom, conforme as Escrituras. A versão reformada de um deus que escolhe sua raça ariana espiritual para salvar baseado em sua soberana tirania é heresia humanista historicamente antibíblica. Nem tudo o que os reformados escreveram é conforme as Escrituras. Basta lermos os Evangelhos e os escritos dos apóstolos para comparar e constatarmos isto. E colocar reformadores históricos no pedestal da infalibilidade papal ou divinização marxista, instituir vacas sagradas em berlindas teológicas é um grave erro. O romanismo fez o mesmo em seus concílios. Mais: é estranha a argumentação de que o calvinismo é complexo, profundo, sendo o Evangelho simples. Qualquer tentativa de complexificação do Evangelho é a própria perversão dele. Prefiro ficar com a simplicidade do Evangelho a ter que me embrenhar naquilo que é complexo, porque o que é complexo não pode ser o modelo de compreensão do que é simples. Em adição: muitos dos argumentos reformados para defender a ideía de um deus tirano que seleciona arbitrariamente seus favoritos são simplórios sim. Falsa erudição para camuflar pobreza e erro. Paulo diz que Deus revelou sua verdade aos simples e a escondeu dos "sábios". Jesus e os apóstolos nos exortaram a examinar as Escrituras não havendo necessidade de mediadores ou teólogos.

Continua!!

Sandro Moraes disse...

Acrescento: aceitar muitas idéias reformadas é aceitar que a Bíblia é contraditória, porque as tais apresentam a um só tempo um Deus que ama a todos, e um deus que ama alguns. Um Deus que criou o inferno para o diabo e seus anjos e um deus que criou o inferno também para os homens que ele arbitrariamente predestinou para lá. Tente solucionar as implicações contraditórias do calvinismo como apresentados no artigo O DEUS DO APARTHEID! Nem os capacitados comentaristas da Bíblia de Estudo de Genebra conseguiram solucionar suas próprias contradições calvinistas, aprofundando-se em mais contradições nas notas de roda pé da referida Bíblia no tocante à salvação.

Em nível profundo ou mesmo raso é fácil concluir: os esquemas explicativos do calvinismo tornam a Bíblia uma contradição insolucionável.

E tenho escrito estes últimos artigos não para gerar polêmica ou aparecer. É para mostrar como o caráter de Deus pode ser difamado pelas teologias merecedoras do nosso distanciamento.

E quanto ao resultado do debate "na roda dos esclarecedores" em que 100% dos ouvintes responderam que Deus não predestina quem vai para o céu e quem vai para o inferno, sabe o que significa isso?

Que Deus guardou a Lei em nossa consciência: Ele não faz acepção de pessoas.

Paz, querido, combato idéias, não pessoas e não me impressiono com teólogos. Faço uso das idéias de alguns somente quando se coadunam com as Escrituras. Abraço!

Sandro Moraes disse...

Rev. Deça.

Até há bem poucos anos atrás, na procura por uma definição histórica teológica me definia como um anabatista anti-calvinista. Fugi dos rótulos: hoje, nem evangélico, nem protestante, nem wesleyano, nem arminiano, nem calvinista, não levanto bandeiras do tipo "Armínio!, Calvino!, As Institutas! Evangélico!", nada disso.

Vejo um deus estranho em tais bandeiras. Mas denuncio em minhas letras as esquisitices dos sistemas religiosos.

Sou apenas um cristão, discípulo do Mestre privilegiado por participar da Grande Comissão.

Clovis Cabalau disse...

Fala, Sandro, a Paz do Senhor.
Primeiro, parabéns pela coragem de tratar de um assunto tão espinhoso. Esses espinhos... alfinetam para chuchu. Mas é isso aí, como você, gosto do debate saudável, sempre no campo das idéias, jamais descambando para o campo pessoal. Aliás, pessoas são(somos) mesmo uma lástima, não fosse, claro, a graça do nosso Senhor Jesus Cristo. Gostei do debate entre você e o Rev. d'Éça. Boa leitura. Não me arriscarei a entrar nesse "fogo cruzado". Quem sou eu. Tudo que sei é que nada SOU, ou melhor, SERIA, não fosse Cristo em mim. Mas, vou concordar contigo acerca da simplicidade do envangelho. Gosto de contemplar a simplicidade de Jesus e de buscar imitar o Mestre. Leio alguns teólogos, sou péssimo em guardar nomes, mas estremeço (e muitas vezes choro )mesmo é quando leio a Santa Palavra do Senhor. Pregá-la, então, é uma honra que jamais imaginei que um dia teria. Quando me é dada esta bênção, tento não "acaraminholar" os ouvintes, em sua maioria leigos em matéria de teologia, mas como nós, carentes da graça, da misericórdia e da simplicidade amorosa de Deus. Se há predestinados ou não entre os ouvintes, sinceramente, Deus não nos dá esse conhecimento ou pré-ciência (para usar um termo que você aprecia), portanto, tento concluir sempre falando de Jesus, da sua maravilhosa graça, da necessidade da salvação, de arrependimento (e sem receio de parecer repetitivo). Não tenho receio de alertar contra o perigo dos falsos profetas, dos teólogos das prosperidade e dos charlatões teatrais... Curvo-me diante da soberania de Deus e de seus mistérios. Não me vejo obrigado a decidir por uma linha teológica ou outra, se somos predestinados ou não, afinal, ambos os lados vão sempre me apresentar referências bíblicas para corroborar com sua tese. Fico do lado da palavra simples, que me manda pregar a toda criatura. Vai para o céu que for tocado pelo Espírito Santo e render-se a Cristo. No mais, tudo na santa paz. Grande abraço.

Sandro Moraes disse...

Oi, amigo Cabalau, tudo jóia?

É companheiro, tenho mantido distanciamento de "teologias" estranhas, embora históricas, retendo somente aquilo que é conforme as Escrituras. Quanto ao que vc observou, que os adeptos das diversas correntes teológicas usam textos bíblicos para corroborar argumentos, o problema é que em alguns casos eles usam versículos isolados e mais obscuros em detrimento dos mais numerosos, claros e objetivos e, melhor, contextualizados. O meu posicionamento é fácil: O Deus da Bíblia não é Hitler, nem Alá, não é déspota esclarecido, não é tirano, não elege favoritos arianos, não promove apartheid, não é parcial, não faz acepção de pessoas. A idéia de que Deus, quando lançava os fundamentos do universo, já tinha decidido quem iriam mandar para o céu ou para o inferno é CLARAMENTE pagã, herética e insana. Todos os reformadores que afirmaram isso foram insanos, não importa se foram mil Calvinos ou 10 mil Luteros. Sem medo de errar! A palavra de Deus me dá os fundamentos dessa afirmação. Grande abraço, amigo. Lembrança também para sua amada!

marcos disse...

OI Sandro, eu me chamo marcos e gosto muito do seu blog e dos seus comentérios no programa na roda dos esclarecedores, confeço que as vezes eles mais confundem do que esclarescem pois na maioria das vezes estão presos a tradições ligadas as respectivas denominações e isso é um erro.
Sandro eu queria contar um episodio que ocorreu comigo e gostaria se fosse possivel que você me dê a sua opnião,eu sou membro da Igreja Batista tradicional e o que aconteceu foi o seguinte eu fui convidado para uma vigilia de jovens que iria ser no templo, iria começar as 9 da noite e so terminaria pela manhã, eu fui convidado por um amigo meu que mora perto daminha casa eu tinha acabado de chegar da faculdade e so comi algo coloquei uma calça, camisa, fui de chilela de dedo mesmo e como eu as vezes acabo passando muito tempo sem cortar os cabelos ja fazia mais ou menos uns 5 meses e o meus cabelos não são tão lisos e bonitos quanto eu gostaria que fosse eu pus um boné e fui para igreja, não achei que ia ter problema pois quem implica com essas coisas são geral mente os mais velhos, na verdade na hora eu nem pensei nisso eu apenas queria esconder os meus cabelos, fui para o culto e como disse não pensei que iria ter problemas pois só haeriam jovens chegando lá foi muuito bom teve a palavra sobre sexo antes do casamento teve louvores, teve uma dinâmica, foi muito bom e eu vim para casa ja pela manhã.
Acontece que praticamente um mês depois vei outro amigo meu na minha casa pela manhã me dizer e me indagar por que eu tinha ido de boné na vigilia daquele dia, disse que eu estava querendo avacalhar, disse que ele tinha se espantado e se escandalisado com o fato do boné em minha cabeça, falou que era falta de reverência minha e disse ainda que outro jovens tinham dio o mesmo, ele brigou comigo disse que eu era membro, e me perguntou se eu não tinha sentido minha conciencia pesar por aquele ato do boné em minha cabeça.
O que eu respondi pra ele foi que eu não senti peso algum, e disse que ele é que queria me colocar peso e expliquei pra ele o por que de eu ter ido para igreja de boné e que eu achava aquilo que ele tava fazendo besteira, ele disse que eu quero viver de acordo com minhas proprias leis e que a igreja tem normas
( normas essas que nunca me disseram nos 4 anos que ja me congrego lá qe não poderia ir para a igreja de boné)eu disse pra ele que eu não iria mais de boné mais só pra não arranjar confusão mais que Deus não exegia isso de mim. bem é isso ficarei garto se Você poder me responder, sei que talvez esse não fosse o espaço para lhe falar mais foi o modo que achei, meu e-mail: marcdantalve@hotmail.com, de qualquer forma obrigado fique com Deus.

Sandro Moraes disse...

Oi, Marcos, bem vindo. Bem, quanto aos meus posicionamentos que lhe deixam confuso e que são exposições doutrinárias denominacionais, gostaria de saber quais seriam esses pontos para que eu possa falar mais especificamente! Indo direto a questão da aparência. Marcos, algo que aprendi desde cedo foi perdoar, relevar, não levar tão a sério, etc. Já fui não poucas vezes magoado nos relacionamentos de igreja, talvez teria sido mais ainda se fosse masoquista e levasse em conta toda tentativa de puxada de tapete da qual fui vítima. Temos que viver o amor e o perdão que curam e nos amadurecem. O contrário gera adoecimento da alma e nos relacionamentos. Não tenho dúvida de que faltou sensibilidade, tato e discernimento para quem lhe destratou. Perdôe, com freqüência somos muito infantis. Sempre existem resquícios de legalismos, e não apenas nos meio cristãos.

Marcos, a sociedade é assim, define padrões, rótulos e aparência. É positivo em alguns casos, em outros seria o ideal farisaico da aparência de santidade. Particularmente, prefiro não dar razões para não ser mal-compreendido pelo modo como me visto. A sociedade determina regras a partir de contratos coletivos construídos historicamente. Por isso que existem trajes apropriados para cada situação. Vc não acha estranho numa igreja encontrarmos mulheres vestidas de maneira indiscreta, seminuas, mostrando partes do corpo, podendo ser confundidas com prostitutas? Num outro extremo, não é esquisito em algumas denominações pentecostais históricas que já demonizaram bastante o futebol, agora permitir seus membros participarem de uma pelada com camisa de manga comprida? Exagero fruto de um ideal de santidade a partir do exterior.

Entendo que o exemplo das grandes empresas serve para qualquer situação da vida. Se o funcionário representa a empresa e seus ideais de seriedade, tudo começa pelos trajes das pessoas que trabalham nela, que precisam ser adequados e respeitáveis. Já imaginou executivos trabalhando com trajes de banho? Não dá, não é. Ou executivas trajadas como prostitutas? Impensável! Esse é mais ou menos o meu padrão quanto ao vestuário em qualquer situação, dentro ou fora da igreja, e nem estou falando de santidade, porque entendo que bom senso independe disso. Minha esposa, por exemplo. Me apaixonei por ela e começamos a namorar porque um dos encantos que tive foi pelo fato dela usar roupas discretas, se tornando mais bonita, sem precisar usar saia até o pé ou roupa brega, entendeu. Entendo que a virtuosidade de uma mulher se expressa pelo modo como ela se veste. Jamais casaria com uma mulher que se veste vulgarmente. Exceto se quisesse ser corno. E que ninguém me venha falar de preconceito. Conheci muitos caras que se deram mal por serem "liberais" e "modernos". Entendo que mulheres que gostam muito de exibir o corpo, com roupas muito curtas e sensuais, inclusive de igreja, são do tipo que deve ser evitado. Repito, mulheres virtuosas, via de regra, são mais discretas no vestir e isso é bom.

Continua!!!

Sandro Moraes disse...

Quanto ao homem, confesso Marcos que preferencialmente opto pelo que é conservador. Estilo: nada de estravagância, nada de adornos para chamar a atenção dos outros para mim além do simples presença notável. A Escritura me diz muito ao afirmar que devemos fugir da aparência do mal. Exemplificando, considero "estranho" um renascido de Deus usar a aparência de um metaleiro. Toda conduta guarda uma forte comunicação simbólica, e entendo que até na comunicação não-verbal não devemos escandalizar e a aparência precisa estar de acordo com a fé professada. O heavy metal tem relação com rebeldia, satanismo, ocultismo, homossexualismo, etc. Como, sendo discípulo de Cristo, posso usar uma vestimenta que universalmente simboliza tudo o que é anti-Deus?
Tatuagens, sobretudo as extravagantes, são um dos principais símbolos de rebeldia e de liberação dos costumes, heranças do movimento hippie dos anos 60 que apregoava sexo livre, paz e amor. Se não compactuo com essa cosmovisão como posso me contradizer na aparência? O brinco no homem é um símbolo internacional do movimento gay, e de rebeldia. Sabedor disto não me sentiria à vontade para usá-lo. É uma opção minha, vc tem o direito de discordar de mim se desejar.

Os "profetas" da modernidade costumam argumentar que Deus não olha para a aparência e sim para o coração. É verdade. Deus olha para o mendigo do mesmo modo que olha para um imperador: com amor, sem fazer acepção a partir da aparência como faz o homem. O problema é que a aparência costuma mostrar as podridões do coração ou a purificação dele. Ou vc acha que uma prostituta que recebeu o Santo Espírito por ocasião da conversão à Cristo iria desejar continuar a ser na aparência uma prostituta?
Obviamente não. A transformação interior iria se exteriorizar, do contrário não haveria genuína conversão.

Sandro Moraes disse...

Marcos, uma vez soube que havia uma vaga para repórter no Diário dos Associados aqui em Sao Luís. Viajei, voltei e duas semanas depois me surpreendi ao saber que ainda havia a única vaga oferecida. Conquistei a vaga. Dias depois o chefe disse porque fui contratado quando quase 50 jornalistas já tinham sido entrevistados. Foram todos reprovados. Em alguns casos faltou comunicabilidade. Na maioria os entrevistados foram como "doidões", como se ainda estivessem na UFMA. Brincos, tatuagens, rabos de cavalo, camisa sem manga, chinela, alguns pareciam maconheiros, outros relaxados, etc. Dizem que a sociedade é preconceituosa por ditar padrões de aparência. Não concordo. Em tudo deve haver limites e regras.
Digo mais, se não sou marginal, como poderia me vestir para ser confundido com um?
Se sou crente como poderia me vestir s ser confundido com um descrente? A comunicação não-verbal é poderosa e costuma falar mais alto que as palavras.
Vestir-se com modéstia, discrição e traje adequado à ocasião é positivo e vantajoso em qualquer situação e o exemplo do mercado profissional no meu entender serve para a igreja.
E nem estou falando de santidade.
Aparência é fundamental, não no sentido preconceituoso, mas no da decência e bom senso.
Quanto ao que vc me descreveu, não vejo problema no boné, também não vi seu cabelo. Legalismo existe nas igrejas, não deveria, porém, não sei à distância se foi o caso que lhe concerne. Recomendo que vc converse com a pessoa que lhe dispensou um tratamento que lhe deixou magoado e vá na intenção de perdoar e reconciliar-se. Querido essas coisas acontecem. Na igreja, como em qualquer outro lugar existem pessoas imaturas. Aproveite para exercitar o perdão.

E fique em paz. Ore, e peça a Deus que lhe dê discernimento em tudo. Deus abençoe, abraço!

Sandro Moraes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Sandro Moraes disse...

Marcos, quanto às minhas participações no programa "Na Roda dos Esclarecedores" procuro ser bíblico em minhas opiniões e não denominacional, o que em alguns casos pode coincidir. As denominações possuem doutrinas. Elas podem ser bíblicas, extra-bíblicas ou mesmo anti-bíblicas apesar de serem até mesmo doutrinas históricas e seculares em alguns casos. A Escritura é a referência. Sempre comparo as doutrinas com a Escritura. Deus nos deu o Espírito Santo para nos capacitar a compreendê-la com os olhos da Graça, sem a necessidade de intermediários, seja sacerdote ou teólogo. Agora, jamais irei agradar homens ou sistemas religiosos. Sempre denuncio "ungidos estelionatários", a doutrina demoníaca da prosperidade e as seitas pseudoevangélicas com seus misticismos macumbeiros apóstatas. Também nunca considerei algumas doutrinas reformadas como bíblicas porque deturpam e difamam o caráter de Deus.

Jesus lhe abençoe!

meumeu disse...

Samdro, obrigado por responder meu comentário, concordo com tudo o que você escreveu.
Quanto ao que eu declarei no meu primeiro post, onde diz:
“Confesso que as vezes eles mais confundem do que esclarescem pois, na maioria das vezes estão presos a tradições ligadas as respectivas denominações e isso é um erro.”
Não estava referindo-me a você e suas opniões, pois como eu já tinha dito gosto muito delas ( suas opniões ).
Acontece que naquele momento acabei escrevendo o que veio a cabeça e, não atentei para verificar antes de lhe enviar o cometário, se haviam erros na escrita. E o trecho citado acima acabou concordando com a parte em que diz:
“Gosto muito do seu blog e dos seus comentários no programa na roda dos esclarecedores”, no começo do primeiro parágrafo.
Na verdade eu estava falando de alguns dos debatedores que as vezes me passam a idéia de que já lhe falei, sinceramente lhe peço desculpas pelo erro não foi intencional, somente depois que você fez seu comentário, que resolvi reler o que eu havia escrito.
Mais uma vez obrigado, e espero o próximo artigo ansioso.
Fique com Deus.

Sermões online disse...

Um dos pontos fortes do homem é capacidade de raciocínio, isso dá a ele o sentido da razão, razão essa que o leva a concordar ou descordar de determinados assuntos dentro da luz que cada um caminha e professa. Não podemos ignorar o fato que todos temos tendências a buscar confirmação daquilos que cremos em pessoas que já pensam como nós e se destacam dentro de um determinado cenário ou grupo. Isso é fato.
É importante lembrar que palavras em nossa mente é de propriedade nossa, quando ela sai de nossa boca já não mais; quando escrevemos então ficamos escravos delas...
Portanto se o que escrevemos é a expressão do que pensamos, logo devemos cuidar daquilo que escrevemos para que não haja ofensa, mesmo que, sem intenção.
Escrever o que pensamos nem sempre é sinal de coragem ou expressão idealista; pondere, pense, isso faz parte so ser racional.

Sds,
Pr. Marcos Couto.
Visite o meu site: www.souvencedor.com

Servo de Deus disse...

Sermões on line;

Não concordo com sua opinião. Pelo que vi o autor deste blog expressou sua opinião baseado em um estudo bem profundo nestes assuntos.Agora estou tentando entender o que quer realmente dizer aqui:
"É importante lembrar que palavras em nossa mente é de propriedade nossa, quando ela sai de nossa boca já não mais; quando escrevemos então ficamos escravos delas...
Portanto se o que escrevemos é a expressão do que pensamos, logo devemos cuidar daquilo que escrevemos para que não haja ofensa, mesmo que, sem intenção.
Escrever o que pensamos nem sempre é sinal de coragem ou expressão idealista; pondere, pense, isso faz parte so ser racional"

Eu não vejo problema em expressar pensamentos que na verdade são estudos e opiniões lançadas em cima deles.
Não devemos escrever só aquilo que faz nossa linha claro,principalmente tratando-se de Deus.Agora isso vai depender de que "linha" está se falando,se ela for baseada na palavra de Deus verdadeira, essa é só uma e não existe outra.Porém não dá para escrever outra.
E por que ofensa? não vi denominações nem nomes citados. ô povo de Deus que se ofende om tudo....
Sim agora quero finalizar dizendo que muitos evangélicos dos dias atuais não querem ler nem ouvir uma "linha" contrária àquela que está sendo empurrada na maioria das igrejas, muita barganha,interesses,fogo... fogo... que só serve para buscar "milagres" e não a salvação. Ora.. ora.. Se Deus ja tivesse escolhido a todos antes,muitos pastores e ovelhas não teriam nem oportunidade de fingirem que buscam a ele,já que cada um busca seus interesses. Desculpe o desabafo,não é nada pessoal, só não aguento mais ver gente tentando calar a boa dos poucos que ainda existem que denunciam e discordam de visões tristes. Abraço.

Presb. Fabio Scofield disse...

Olá Irmão Sandro, Graça e paz da parte do Senhor Jesus...
Esta é a minha primeira visita ao seu blog, espero fazê-lo muitas vezes, até que nos tornemos amigos íntimos para compartilharmos a nossa fé através das nossas idéias e pensamentos.
Parabéns pelo seu trabalho.
Espero a sua visita ao meu humilde blog, se gostar, siga-me, pois eu já estou te seguindo.
Deus te abençoe em nome de Jesus...

Marcio disse...

Acho que “Sermões online” esta se referindo ao que o amigo Marcos disse, no entanto também não concordei com o que ele escreveu, pois mesmo que esteja certo em alguns pontos, acho que ele (Sermões online), não entendeu ou compreendeu as desculpas do nosso amigo, por isso acho que em vez de dar “sermões” o senhor atente primeiro para o que estar ali sendo passado, por que sei como ele se sentiu e realmente achei total perda de tempo por que se considerar que essa pessoa não saiba escrever perfeitamente no teclado de um computador, pode compreender tal erro, em outras palavras...

Marcos disse: Acontece que naquele momento acabei escrevendo o que veio a cabeça e, não atentei para verificar antes de lhe enviar o cometário, se haviam erros na escrita. E o trecho citado acima acabou concordando com a parte em que diz...

Bem, minhas desculpas se pareceram ofensivas minhas palavras, mais essa é minha opinião.
Sandro, sobre o artigo achei bastante consistente, como o Servo de Deus disse você baseou-se nas escrituras logo não tem como argumentar, eu discordo totalmente e sempre descordei da teoria da predestinação, mesmo tendo dúvidas a isso, por isso agradeço por você ter escrito sobre este assunto, muito obrigado e fique com Deus.
Ass. Márcio ^^

Presb. Fabio Scofield disse...

Olá Irmão Sandro, Graça e Paz...
Muito obrigado, pela sua tão breve atenção, digna de um verdadeiro servo do Senhor Jesus. E também por segui um blog tão simples, como o meu; como disse entes: espero que nos tornemos grades amigos.

Deus abençoe a sua vida, seu ministério e sua família, em nome de Jesus...

Sandro Moraes disse...

Oi, presbítero Fábio, Paz! De fato fiz uma breve visita ao seu blog, mas com certeza irei ler seus posts e deixar comentários. Às vezes paro pouco na internet, principalmente em fins de semana. Mas seja bem vindo a este espaço. Aprendizado e edificação mútua é sempre relevante para a contrução da nossa fé. Que Deus o abençoe querido. Abraço!

Sandro Moraes disse...

Respondendo ao pr Marcos Couto, do sermões on line, seja bem vindo. Já tive a oportunidade de visitar seu site e blogs. Mais oportunamente deixarei comentários. Quanto à sua observação de evitarmos ofender, é inevitável não ofender quando questionamos ou pomos em cheque teorias "intocáveis" feitas vacas-sagradas no meio cristão. Os religiosos sempre irão se ofender, mas pessoas intelectualmente sinceras tem a capacidade para ver com outras lentes as verdadeiras implicações de sua doutrina(?) e os perigos de tal crença. Não somos irracionais e a Escritura nos desafia a usarmos a razão para não cairmos em erro. Desafiar sistemas frequentemente exige dureza nas expressões usadas sem serem ofensivas, exceto para o religioso. No tocante a visão determinista da predestinação nunca a considerei bíblica, na verdade sempre a considerei anti-bíblica desde o início da minha caminada com Cristo, e é o que exponho aqui. Não vou deixar de escrever com a contundência que considero necessária para agradar ou ser politicamente correto, o que seria um crime, posto que, entendo, que já passou da hora de declarar como heresia a idéia de que Deus faz acepção de pessoas e não ama a todos. Os religiosos podem ficar ofendidos, mas o que quero é levar discípulos de Cristo não-religiosos a perceber o erro de levar a sério tal monstruosidade de quase 500 anos, que não existia antes do pai das alegorizações mais medonhas entrar em cena: Agostinho. Temos que lutar pela saúde espiritual dos crentes e para isto é preciso ser expurgada as teorias anti-bíblicas adoecedoras. É assim que penso e atuo, mesmo sabendo que desagrado até mesmo pessoas que convivem comigo. Mas o que está em jogo é a verdade. E a verdade é que a predestinação na perspectiva fatalista é anti-bíblica. Abraço!

Servo de Deus disse...

É isso aí!!! Concordo plenamente com esse comentário do Sandro Moraes.
A verdade é uma só, a bíblia. Façam estudos, construam pensamentos, mas sempre com base na palavra, esta que é a mesma desde o início.
Abraçoooooooo

Anônimo disse...

A PAZ DO SENHOR jESUS IRMAO. IRMAO AGRADEÇO A DEUS POR TER COLOCADO VOCE ATRAVEZ DESSE BLOG PARA MIM VOCE FOI EMVIADO DELE. POIS IRMAO EU ESTIVE PROCURANDO RESPOSTAS PARA A PREDESTINAÇAO.NAO QUE EU ACERDITACE MAS QUERIA TER AS RESPOSTAS PARA QUEM MIM PERGUNTASSE SOBRE TAL.ESTIVE VENDO OUTROS ASSUNTOS TANBEM E FIQUEI ENPRECIONADO.DEUS TE USA MESMO IRMAO VC TEN AS RESPOSTAS PRA TUDO.CARO IRMAO EU FAÇO PARTE DE UMA IGREJA QUE ACREDITA NA PREDESTINAÇAO, MAS O ENTEREÇANTE E QUE O PASTOR NAO PREGA A PREDESTINAÇAO ELE SO ENSSSINA NA ESCOLA DOMINICAL, E SE ALGUEM PERGUNTAR.IRMAO EU RECEBI UN RENOVO MUITA GARANDE NESSA IGREJA.MINHA ESPOSA SE CONVERTEL. FORAM MUITAS MUDANÇAS EM MINHA VIDA,ESSA IGREJA TEM FOGO PETENCOSTAL EU AMO ELA.MAS SENPRE VIVO COM DUVIDA DELA POIS SEI Q ELES ACREDITAM NA PREDESTINAÇAO,SEI Q ISSSO É UMA ERRO GRANDE DELES.IRMAO SE VC PUDER MIM AJUDE DIGA OQUE FAÇO,É SERTO FICAR ENTRE ELES QUE ACREDITAN NESSA HERESIA,OU EU TENHO QUE SAIR DESSA IGREJA POR CAUSA DO MEU PASTOR QUE ENSINA ESSA HERESIA.É SERTO EU FICAR ENTRE ELES QUE ACERDITAM NESSA HERESIA OU TENHO QUE SAIR POR FAVOR SE POSSIVEL MIM AJUDE COM ESSA DUVIDA.POIS ELA TEM MIM PERSEGUIDO.POIS ELE PREGA UMA COISA MAS ENSINA OUTRA.MIM AJUDE IRMAO. QUE DEUS TE ABEMÇOE, DE SEU IRMAO EM CRISTO JESUS DAVID.

DAVID disse...

DEUS TE ABENÇOE GRANDEMENTE POIS SEU TRABALHO É MARAVILHOSA

Sandro Moraes disse...

David, Graça e Paz!

Você deve ser da igreja Presbiteriana Renovada, a única que conheço que é pentecostal e possui a base reformada em seu corpo de doutrinas. Talvez! Quanto à sua inquietação, seria um crime se eu lhe dissesse "SAIA DESSA IGREJA!" Não, não faria isso. Considero os reformados cristãos verdadeiros, apesar da crença na predestinação conforme a ótica determinista, ou seja, que Deus antes de lançar os fundamentos do universo já havia decidido que milhões de pessoas iriam para o céu e, a maioria, que iria entrar pela porta larga que conduz ao caminho de perdição, seria predestinada ao inferno. Supondo que em toda a história registrada até o fim dela a terra tivesse cerca de 8 bilhões de pessoas, é como se 500 milhões fossem arbitrariamente presdestinadas a irem para o ceú e as demais 7,5 bilhões para o inferno. Note que o inferno é bem maior que o céu. Definitivamente esse deus não é o Deus da Bíblia. Se fosse para escolher Ele escolheria a todos para salvar sem distinção porque ama a todos. Temos que abominar essa teologia. Chega de democracia. A despeito desse erro não os considero como adeptos de uma seita, ao contrário, são meus irmãos na fé. O complicado para eles é o fato de que quem não crê na predestinação fatalista é rotulado de herege ou teólogo liberal, portanto o número deles naturalmente será sempre reduzido em suas igrejas. Complicado pois a maioria esmagadora dos cristãos nunca pensou e não pensa assim. Eles são salvos, só que não porque foram pré-selecionados arbitrariamente para isto. São pessoas que amam Jesus e se dedicam a evangelização. Agora, no meu caso, eu não faria parte de uma igreja reformada, porque, combateria internamente tais idéias fatalistas. Nem tenho respeito ou admiração por Calvino.

Continua...

Sandro Moraes disse...

David, Graça e Paz!

Você deve pertencer a Igreja Presbiteriana Renovada, a única pentecostal que conheço a possuir em seu corpo doutrinário as idéias reformadas como a da predestinação fatalista. Não diria para vc sair dessa igreja. Seria anti-ético ainda mais porque eles são cristãos verdadeiros, têm amor por Jesus e se dedicam a evangelização, a despeito de abraçarem (erroneamente) as idéias de Calvino. Agora se vc se incomoda com esses ensinos, entendo que igreja é se sentir bem, é sentir identificação. Eu não faria parte de uma igreja que defende a predestinação calvinista porque a combateria internamente. No seu caso recomendo orar. Deus lhe dará discernimento e paz. Se não for possível conviver com tais idéias, seria prudente não permanecer, agora se não for algo esmagador ou insuportável, talvez seja lá mesmo o seu lugar. Só Deus pode pacificar a sua mente. Busque orientação dele em oração. Agora percebo uma grande inquietação de sua parte com isto e compreendo, sentiria o mesmo. Se esse incômodo permanecer, há um problema. Portanto ore pedindo orientação do Pai celeste antes de tomar qualquer decisão. E que Deus lhe traga paz e resposta ao seu coração. Abraço!

Sandro Moraes disse...

Desculpe as duas respostas. É que num primeiro momento a página comunicou que não seria possível publicar o texto por excesso de caracteres, e quando publiquei a segunda resposta, apareceu publicada a primeira. De qualquer modo creio que está claro. Deus te abençoe querido, abraço!

David disse...

A PAZ DO SENHOR QUERIDO IRMAO! Em um dos meus comentarios eu disse que voce foi enviado de Deus pra mim,e agora tenho mais serteza ainda.pois eu orei a Deus pra mim mandar alguem que tirace essa duvida da minha cabeça,e no dia SEGUINTE QUE É HOJE eu vi sua resposta pra oque eu tinha perguntado a voce. querido irmao voce nao sabe o peso que tirou da minha cabeça Deus te pague em dobro.eu estava muito triste e com medo, por que pençava a todo estante se era errado ficar entre eles,se eu estava cometendo um grande pecado,se ao tomar a santa seia com eles eu estava pecando contra Deus,e alem de tudo eu estava com medo de ter que sair dela,porque eu amo meus irmaos que pertençem a ela.tenho orado muito pelo meu pastor e meus irmaos pra que Deus de alguma forma libertem eles dessa crença hereje e tao triste.obrigado por tudo irmao sandro que Deus te abençoe grandemente, de seu irmao em cristo jesus David.paz e graça seja com toda sua familia

Anônimo disse...

ola tdo bem crer na predestinaçao nao e´ simplesmente estudar a biblia ou livros teologicos e´ser impactado pelo ESPIRITO SANTO se as escamas de seus olhos nao cairem jamais crera na GRAÇA REDENTORA DE CRISTO pois a relegiao so nos afasta de DEUS e a graça n e´relegiao oa qual nao precisa ser descutida pois CRISTO nos escolheu para vivermos em AMOR tenha uma otima semana em graça emerson

Sandro Moraes disse...

Engraçado, Emerson, vc querer afirmar que eu não vivo pela graça. Nem me conhece. É muita pretensão! Ou mesmo sugerir que viver pela graça é sinônimo de ser biblicamente analfabeto. Quando as escamas caírem dos meus olhos terei que ser ignorante? Esse é o nível do cristianismo moderno. Muito poder, unção, graça(?) e ignorância. Lamentável. Deus te dê sabedoria!

Anônimo disse...

Graças a Deus, Ele nos tem iluminado com a tua palavra, dando-nos conhecimento sobre as verdades, porém um bom servo não é aquele que apenas ouve ou aprende, mais aquele que pratica, que multiplica os talentos e as minas, e da o sustento a seu tempo aos conservos. Precisamos praticar tais palavras, clamando Oh Senhor Jesus, pois o servir é Dele mesmo, para Ele mesmo, isso através de nós, que o Senhor nos ajude nesse caminho estreito com uma porta apertada, para crescer na vida divina, e assim poder reinar com o Senhor no mundo que há de vir. (mt 25:14-19; lc 19:11-27; mt 24:45-51; rm 8:17; rm 10:9-13; mt 24:35; mt 15:8-9; mt 9:35; mt 6:10; mt 3:2; mt 4:17; mt 10:7; lc 3:3-14)
Que o Senhor Abençoe este blog, assim tbm seu dono e todos aqueles que o visitem. Graça e Paz seja convosco, amém.

Unknown disse...

A paz do Senhor Jesus Cristo meu irmão Sandro Moraes, meu nome é Saulo Sou pastor gostaria de parabenizar pelo estudo, mas gostaria também de, poder acrescentar algo que percebi não ser bem compreendidos até mesmo pelo irmão; para aumentar seu conhecimento entendimento da palavra de Deus.
O primeiro lugar iremos fazer uma análise superficial do texto, e quando digo superficial quer dizer somente no texto em português depois faremos uma análise no original; vamos conversar então.
Primeiro: no texto de Efésios Capítulo número 1 no verso de número 4 nos diz o seguinte: nos elegeu nele antes da fundação do mundo. A primeira pergunta que devo fazer para o texto é: o que é preciso para ser eleito? E a resposta é:estar nele ou seja está em Cristo, pois Note que o versículo inicia dizendo que Deus nos elegeu nele; mas Nele quem? O versículo de número 3 explica em Cristo Jesus; jogos todos estiverem em Cristo e somente após estarem em Cristo se tornaram eleitos a segunda pergunta que devo fazer ao texto é: mas para que eu sou eleito? Para ser salvo? Para morar no céu? É óbvio que não! Pois é condição de se tornar ele é primeiramente estar nele, não pode ser pra isso pois somente pelo fato de estar nele tudo isso já se cumprirá em minha vida, Mas então pra quê que sou eleito? Simples o texto não termina aí mas Paulo completa dizendo o porquê somos eleitos;....... para sermos Santos irrepreensíveis diante dele, e tudo isso em amor.
O mesmo acontece com o versículo de número 5, que diz: nos predestinou. Mas nos predestinou para quê? Para sermos filhos de adoção por Cristo Jesus, ou seja, fomos pré encaminhados para lavrar se a escritura de adoção de filhos por Jesus Cristo, simples assim.
Segundo: original a palavra grega usada por Paulo que foi traduzido para o português por eleitos é a palavra grega εκλεκτός (eclectos) Esta palavra está no plural Note pela tradução eleitos ou nos elegeu logo igreja no seu coletivos que é eleição; pois Note também que Paulo está escrevendo para uma igreja de crentes que já estavam em Cristo e não a indivíduos não crentes
Continua

Saulo Batista disse...

Existem duas outras palavras gregas para eleição no singular uma delas é εκλογών (eclogin) pronuncia-se ek-loguin esta palavras até hoje é usada na Grécia nós na política, eleições para prefeitos governadores Presidente e etc.... onde 1 dentre tantos será escolhido e essa palavra aparece em romanos Capítulo de número 9 no verso de número 11 através da presciência de Deus ele escolheu a Jacó porque conhecia seus atributos firmeza e garra, mas Deus escolheu Jacó para ser salvo e sim para que dele saísse às 12 tribos a eleição do Antigo Testamento nada tem a ver com a eleição da Graça e quando o texto diz que Deus da mesma massa faz vaso de honra e vaso de desonra não está dizendo que Deus fez os bons para serem bons e os maus para ser irmãos mas ele fez todos e a mesma massa significa que todos descendem de Adão a primeira massa, mas o ser bom e o seu irmão é escolha de cada um veja que os Apóstolo Paulo explica em segunda Timóteo Capítulo 2 versos de número 20 e 21: que numa casa não há somente vasos de ouro de prata mas também de pau e de Barros uns para honra outros de sorte que se alguém se purificar dessas coisas( lista de pecados e erros citada antes destes versículos) será vaso para honra santificado idôneo para uso do Senhor e preparado para toda boa obra, ou seja Deus fez todos sejam os que me honram os que não honra mas o fato de um raro não é escolha de cada um capítulo 9 de Romanos trata Quais questões antiga aliança que mostra como Deus elegeu Israel e diferencia o modo a eleição da Graça.
Continua.

Saulo Batista disse...

Já no versículo número 5 do Capítulo 1 de Efésios a palavra grega que Paulo utiliza é πρόκρισης (proorisas) essa palavra significa prever predeterminar para encaminhar também pode ser traduzida por predestinar; mas não no sentido de karma como meu karma é sofrer meu Karma é ir pro céu, mas sim no sentido de local por exemplo estou saindo destino Bahia ou seja foi traçado destino local de antemão de antemão para nós irmos concretizar a nossa adoção e este local é Jesus simples assim

Saulo Batista disse...

A paz do Senhor Jesus Cristo meu irmão Sandro Moraes, meu nome é Saulo Sou pastor gostaria de parabenizar pelo estudo, mas gostaria também de, poder acrescentar algo que percebi não ser bem compreendidos até mesmo pelo irmão; para aumentar seu conhecimento entendimento da palavra de Deus.
O primeiro lugar iremos fazer uma análise superficial do texto, e quando digo superficial quer dizer somente no texto em português depois faremos uma análise no original; vamos conversar então.
Primeiro: no texto de Efésios Capítulo número 1 no verso de número 4 nos diz o seguinte: nos elegeu nele antes da fundação do mundo. A primeira pergunta que devo fazer para o texto é: o que é preciso para ser eleito? E a resposta é:estar nele ou seja está em Cristo, pois Note que o versículo inicia dizendo que Deus nos elegeu nele; mas Nele quem? O versículo de número 3 explica em Cristo Jesus; jogos todos estiverem em Cristo e somente após estarem em Cristo se tornaram eleitos a segunda pergunta que devo fazer ao texto é: mas para que eu sou eleito? Para ser salvo? Para morar no céu? É óbvio que não! Pois é condição de se tornar ele é primeiramente estar nele, não pode ser pra isso pois somente pelo fato de estar nele tudo isso já se cumprirá em minha vida, Mas então pra quê que sou eleito? Simples o texto não termina aí mas Paulo completa dizendo o porquê somos eleitos;....... para sermos Santos irrepreensíveis diante dele, e tudo isso em amor.
O mesmo acontece com o versículo de número 5, que diz: nos predestinou. Mas nos predestinou para quê? Para sermos filhos de adoção por Cristo Jesus, ou seja, fomos pré encaminhados para lavrar se a escritura de adoção de filhos por Jesus Cristo, simples assim.
Segundo: original a palavra grega usada por Paulo que foi traduzido para o português por eleitos é a palavra grega εκλεκτός (eclectos) Esta palavra está no plural Note pela tradução eleitos ou nos elegeu logo igreja no seu coletivos que é eleição; pois Note também que Paulo está escrevendo para uma igreja de crentes que já estavam em Cristo e não a indivíduos não crentes
Continua