sexta-feira, 14 de maio de 2010

Imoralidades canonizadas

No início, a igreja era um grupo de homens centrados no Cristo vivo.
Então, a igreja chegou à Grécia e tornou-se uma filosofia.
Depois, chegou à Roma e tornou-se uma instituição.
Em seguida, à Europa e tornou-se uma cultura.
E, finalmente, chegou à América e tornou-se um negócio (Richard Halverson).



Por que lutar pela fé entregue aos santos? Por que pregar a sã doutrina? Por que pregar o Evangelho?

Platéias cada vez maiores, ávidas para ser aliciadas. Mentes entorpecidas como que por ópio anestesiante rejeitam o anacrônico e ultrajante “velho” Evangelho, inadequado para dias de tantas necessidades criadas. Advertências para o aliciamento de mentes são menosprezadas. Mentiras sinceras interessam. Como prostitutas masoquistas, sofrem com prazer a angústia da espera dos milagres com prazos de validade a perder de vista, mas que nunca se concretizam. “É falta de fé!”, justifica o apreciador do engano. Milagres? Sim, financeiros, claro. Nunca chegam para a maioria, o telefone nunca toca. Milagres financeiros garantidos com precisão matemática para aqueles que os prometem em troca de um bom pagamento. Ricos, milionários, possuidores de jatos, sem nunca terem sido executivos. O dinheiro caiu do céu? Sim para os masoquistas que esquecem que foram eles que alimentaram monumentais riquezas. Esquecem eles de comparar o estilo e padrão de vida dos tais apóstolos “ultra-abençoados” porque “ultramodernos” com o ensino e vida de Cristo e dos legítimos apóstolos.

“Evangelho” com novas roupagens: evangelho macumbeiro, místico, psicologizado, encapetado. Em muitos púlpitos, psicologia travestida de evangelho para massagear o ego invade o pensamento doce e sedutoramente; desemboca em caminhos tortuosos. “Evangelho da Prosperidade” com a cara precisa do demônio chamado “evangelho de Deus”. Coisas faladas em nome de Jesus com a cara do diabo. Coisas do diabo vociferadas em nome de Jesus. Nome profanado para legitimar bruxarias gospel com direito a empréstimo da macumba de sal grosso sacralizado. “Evangelho da Prosperidade”, a exata expressão do anjo de luz com seus ministros da justiça.

Novos ídolos são criados: ídolos humanos, superungidos, cheios de fogo e poder. A presença dos tais é a própria presença de Deus. Palcos são iluminados com holofotes voltados para “os homens de Deus”, só que Deus não está no centro do palco. Deus é apenas a estratégia de marketing. A “Arca da Aliança” é reconstruída e usada num circo de horrores cujo principal horror é o homem coisificado, feito à imagem e semelhança de marionetes guiadas por mais de 300 pastores. 

Denunciar é desencorajado, proibido, tolhido, castrado, anulado. Religião é realmente poder. Só que Jesus não cabe nela, exceto se for maquiado.

A igreja chegou à América e se tornou mesmo um grande negócio. Chegou ao Brasil e se tornou “o negócio”, com garantia de retorno sem necessidade de pesquisa de mercado, desde que o evangelho seja embalado e apresentado como produto ao gosto do freguês.

Denunciar é proibido. 

No programa de rádio ouço o debate do que em princípio é uma roda de esclarecedores. As marcas dos falsos ensinos e falsos profetas são apresentadas para alertar incautos magistral e meticulosamente. Entro na discussão. Sugiro ensinos, práticas e pessoas para exemplificar o que pouco antes fora explanado pedagogicamente. Em seguida vem o constrangimento para os debatedores obrigados a cair em contradição. Aqueles que acusaram em teoria, defendem na prática, revelando que o discurso politicamente correto só é útil quando o vendilhão é apresentado apenas como conceito, como idéia, suposição, como anônimo. Do abstrato e virtual para o real, o enganador não existe no concreto, sobretudo se for “homem de Deus famoso”. Sobretudo quando há o projeto de trazer o mais célebre e astuto dos vendilhões para a cidade; será um grande negócio! Antevejo as montanhas de dinheiro exigido em troca do milagre. Uma explosão de bênçãos como fruto do mover de Deus. Será realmente um grande negócio! 

Até os jatos que indubitavelmente evidenciam o estelionato religioso são justificados para a pregação do “evangelho”, só que o evangelho que eles pregam é outro, estranho às Escrituras.

Por que tamanho corporativismo moral? Medo do sistema ou compactuantes com o tal? Será que caiu a máscara? Aquilo que camufladamente combatem para ouvinte ouvir praticam abertamente em seus púlpitos privados? Embriagados pelo poder chamam de Jesus o demônio da prosperidade? Se for o caso, ai deles!   

E o cenário religioso nacional converteu-se não ao Evangelho, mas à Babel. Cenário límpido, cristalino, tão ou mais corrupto que o que acontece nos corredores do congresso. Como muitos se deixam enganar? 

Por que você está surpreso com a visão da moderna Babel?

Atente para as palavras do apóstolo Paulo a Timóteo e não se surpreenda mais:

“Pois virá o tempo em que não suportarão a sã doutrina; ao contrário, sentindo coceira nos ouvidos, juntarão mestres para si mesmos, segundo os seus próprios desejos. Eles se recusarão a dar ouvidos à verdade, voltando-se para os mitos” (2 Tm 4.3,4).

Denunciar tal confusão babilônica? 
Denunciar é proibido. 
Denunciar é preciso!
É Premente.

Voltemos aos questionamentos introdutórios. 

Por que lutar pela fé entregue aos santos? Por que pregar a sã doutrina? Por que pregar o evangelho? 

Porque a palavra de Deus nos compele a combater o bom combate, a insistir na batalha pela fé de uma vez por todas confiada aos santos. Porque o apóstolo Paulo disse pouco antes da advertência supramencionada: Pregue a palavra, esteja preparado a tempo e fora de tempo, repreenda, corrija, exorte com toda a paciência e doutrina.

Como um segundo dilúvio, Deus trará juízo a toda impiedade, mesmo aquela promovida em nome dEle, no devido momento. Quando chegar, os verdadeiros santos estarão abrigados na graça. Porém, no hoje e no agora devemos estar protegidos na arca, que é a palavra divina, contra as "imoralidades canonizadas" pela “igreja” do nosso tempo.

Evangelizar é também denunciar o que não é o Evangelho.

Denunciar é proibido. 

Denunciar é preciso!

Denúncias caindo como dilúvio interessam.



Por Sandro Moraes


São Luís-MA/Brasil

7 comentários:

Carolina Fecury disse...

Caro Sandro,

Desde de que conheci seu Blog, tenho me tornado cada vez mais assídua em acessá-lo. Tenho acompanhado todos os seus posts, que por sinal, são muito bem redigidos, e o melhor, fundamentados na Palavra.

Graças à Deus, ainda existem cristãos comprometidos com a verdade. Parabéns!

Aquele abraço fraterno,

Carolina Fecury

Alexandre Pitante disse...

Paz, Sandro.

Parabéns pelo texto. De fato denunciar é preciso!

Abraço em Cristo, Alexandre Pitante.

Paola disse...

Amor,

Certamente estaremos cumprindo o papel de servos de Deus, que ama seu evangélho denunciando aquilo que vai completamente contra os verdadeiros e sagrados ensinamentos. Ao ficarmos calados assistindo de camarote e inertes, estamos compactuando e deixando com que isso contamine ainda mais as pessoas, como já vem acontecendo. Foram persegudos e até mortos justamente aqueles que não ficaram calados e não negaram o verdadeiro evenagelho e a Deus.
Ora! ora! as oportunidades devem ser aproveitadas sim! claro que com sabedoria, mas em tempos de coisas rídiculas que são vomitadas nos ouvidos das pessoas, por que não expor a verdade? Isso vai incomodar muito viu? existirá quem diga : ah! falso crente, queimando o nome das igrejas e dos irmãos,mentiroso! polêmico, aff já é de se esperar né?
Firme nas atitudes e no propósito, pois a palavra nunca mudou,apesar dos esforços de homens para que mude. kkk

Deus capacita e levanta alguns para essa missão.
Te amoooooooooo

Sandro Moraes disse...

Oi Carol, foi muito boa a saída com vc e seu amado Alonso ontem à noite. Bom lugar, boa conversa num ambiente confortável com comida de qualidade.Espero que seja o início de uma sincera e bela amizade. Quanto a este blog, fico contente em saber que lhe edifica. Edificar uns aos outros é nosso dever como irmãos na fé. E de fato procuro abordar os mais diversos assuntos neste blog sem me preocupar em agradar ao "sistema". O nosso compromisso Carol é com o Evangelho. Espero influenciar milhares causando baixas nas igrejas da prosperidade, que são apóstatas, posto que realisticamente não pregam o evangelho do Senhor Jesus. Espero que muitos leiam e pensem: preciso sair desta igreja e procurar uma igreja bíblica, onde o verdadeiro evangelho é vivido e pregado. Um abraço!

E Paola, minha linda. Te amooooo!!!!!!!!!

Luciano Vieira disse...

Graça e paz amado!

EXCELENTE artigo!

Principalmente a frase que vc colocou no começo, escrita por Richard Halverson.
Infelizmente o cristianismo sempre sofreu com a influência de culturas e povos. Com isso cabe a cada um que professa sua fé em Cristo, manter suas convicões, tendo como base somente as ecrituras sagradas.

Parabéns pelo artigo.

Em Cristo,

Luciano Vieira

Sandro Moraes disse...

Oi, Luciano, PAZ! Obrigado pela visita a este blog e quero parabenizá-lo também pelo seu blog que publica artigos e notícias bem selecionadas. Quero dizer que tenho visitado o seu trabalho com frequência e já sou seu seguidor. Essa é a nossa missão, participar da Grande Comissão como privilégio imerecido concedido por Deus. Abençoado seja! Abraço!

NICODEMOS disse...

Paz seja contigo

Se denunciar for m crime, então só me resta dizer: Sou culpado e não me arrependo.

Não é admissivel que por covardia e auto-preservação o povo de Deus diga amém para todas as heresias e seus falsos pastores e lideres. Vamos sim adiante e protestar até o fim.

Permaneça na Graça e frutifique nela

Seja bem vindo ao meu blog, e que possas ser edificado mediante as Escrituras.

atalaiadocastelo.blogspot.com

Nicodemos