sexta-feira, 3 de junho de 2011

Manifesto em Brasília contra PL 122/2006

Minhas opiniões. Posso?

Por Sandro Moraes

A manifestação ocorrida na última quarta-feira 01/06/2011 reuniu cerca de 20 mil pessoas em frente ao Congresso Nacional. Havia grupos católicos e evangélicos. Os primeiros estavam em número bem menor. O objetivo dos cristãos é pressionar os congressistas e o governo a não aprovarem a chamada Lei da Homofobia. Principal porta-voz dos evangélicos, Silas Malafaia entregou ao presidente do senado, Senador José Sarney (PMDB-AP) um milhão de assinaturas contra a PL 122. Políticos da chamada bancada evangélica, católica e da família também deram apoio. Católicos, evangélicos e ONGs que defendem valores da família se opõem a vários ítens do projeto. Em resumo entendem que o projeto é um atentado à Constituição do país porque solapa as bases da liberdade religiosa e de expressão de pensamentos e cria uma ditadura de minorias por conceder privilégios especiais aos homossexuais. Nas faixas, cartazes e vozes de ordem expressões também contra a descriminalização ou legalização do aborto, da maconha e casamento gay.

Perto dali havia um pequeno grupo de cerca de 30 pessoas defendendo as aspirações do universo gay. Defendiam o homossexualismo, o estado laico e até usaram textos bíblicos para refutar a chamada Marcha da Família. Li algumas fontes afirmando que os gays utilizaram cartazes com dizeres ofensivos aos cristãos. Imagino que o mais suave deles seja a palavra "intolerantes". Li que os gays chamaram os cristãos de facistas e nazistas. A distância não é possível confirmar. A polícia fez um cordão de isolamento. Não houve confronto direto entre os grupos. Apenas algumas provocações, nada que fosse considerado violência exarcebada.

Acompanhei a reportagem do Jornal Nacional exibida no mesmo dia, última quarta dia 1º de junho. Me chamou a atenção a fala do ex-BBB e deputado federal (PSOL-RJ) Jean Willis. Representante parlamentar dos gays, disse que a intenção da PLC 122 não é proibir pastores de dizerem que o homossexualismo é pecado. Disse que isto era um dogma da igreja. O que os gays desejam é que os evangélicos não digam que o homossexualismo é uma maldição, uma abominação e que os gays devem ser eliminados da face da terra.

Comentários

Primeiro, o deputado Jean Willis mentiu ao afirmar que o objetivo da PLC 122 não era criminalizar líderes religiosos ao declararem de seus púlpitos que o homossexualismo é pecado. O projeto original tencionava sim criminalizar a homofobia no Brasil proibindo inclusive a condenação do homossexualismo em pregações em templos e igrejas. Se o projeto fosse aprovado com o texto original líderes religiosos denunciados por pregarem contra a homossexualidade poderiam ser condenados entre 2 a 5 anos de reclusão. 

A atual relatora da PL 122, senadora Marta Suplicy (PT-SP) fez recentemente uma alteração no texto que tramita no Senado Federal. Com a mudança posicionamentos contrários ao homossexualismo declarado como não natural ou mesmo saudável em pregações dentro dos templos não serão mais criminalizados. 

Ficou boazinha a senadora? Não. De duas, uma. Ou ela cedeu a pressão dos grupos pró-família, ou trata-se de uma estratégia para fazer com que o texto seja aprovado pelos senadores. O deputado Jean willis, portanto, não foi honesto em sua fala. 

Outro ponto. Ele disse que o que os gays não querem é que os cristãos venham a dizer que o homossexualismo é uma abominação e que os gays deveriam ser eliminados da face da terra. 

Primeiramente, o congressista parece confundir cristãos com nazistas. Durante a Segunda Grande Guerra os gays estiveram entre os perseguidos e mortos nos campos de concentração. Não é dogma da igreja, nem cultura expressar ou estimular o pensamento de que os gays deveriam ser exterminados. Palavras falaciosas do deputado.

Quanto a afirmar que homossexualismo é abominação, os cristãos tem o direito sim, e constitucional, de afirmar isto. Já que a Bíblia é sua regra de fé e prática, ela usa exatamente essa expressão para condenar o homossexualismo. Veja:

Com homem não te deitarás, como se fosse mulher; abominação é (Levítico 18.22);

Quando também um homem se deitar com outro homem, como com mulher, ambos fizeram abominação; certamente morrerão; o seu sangue será sobre eles (Levítico 20.13).

Observe que a palavra mais contundente nos dois versículos é exatamente a palavra que Jean quer que não seja usada pelos cristãos. A PL 122 é definitivamente inconstitucional.

Os cristãos, contudo, mesmo tendo estas referencias não costumam utilizá-las. Eu nunca vi um pregador dizendo que o homossexualismo é abominação. Nem é orientação das igrejas que crentes saiam por aí dizendo aos gays que eles são "abomináveis". São pessoas que tem "berço", são educadas, e sabem que essa opção seria equivocada e ofensiva sim, contraproducente aos objetivos do evangelismo. Pode ser que haja um ou outro crente disparatado e inculto que faça isto. Mas seria excessão, não a regra. E novamente concluimos que as palavras do deputado Jean Willis são enganosas.

Abominação mesmo é a PLC 122.

Quanto a Silas Malafaia, ele está fazendo um papel "bonito" de liderança na marcha dos cristãos contra as "abominações" da PL. Gostaria de ver o mesmo ímpeto para denunciar o demoníaco evangelho da prosperidade, algo que ele abraçou. Apreciaria vê-lo utilizar a mesma eloquência para pregar o Evangelho, algo que deixou de fazer há uns seis anos.



Fotos







 

3 comentários:

Anônimo disse...

O que mais me revolta é ver a grande mídia "calada" quanto a esta manifestação. Mas se dois ou três gays estivessem na frente do Congresso com gritinhos histéricos e purpurinados de "abaixo os cristãos", aí sim, seria notícia em todos os veículos de (des)informação de um ato legítimo de direito...

Abraços,
Ismael

Marcio Dantas disse...

Caro Sandro, Deus esteja contigo cara...

Gostei muito do texto, olha ja tinha reparado isso, na primeira vez em que li sobre essa lei.

“Art. 20. Praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião, procedência nacional, gênero, sexo, orientação sexual e identidade de gênero... 5º O disposto neste artigo envolve a prática de qualquer tipo de ação violenta, constrangedora, intimidatória ou vexatória, de ordem moral, ética, filosófica ou psicológica;

Ou seja, qualquer tipo de ação intimidatória, moral, filosófica e psicologia abre uma lista de tópicos.

Se alguém citar algum verso de romanos 1 ja seria motivo pra prisão, olha eu sei que talvez você não acredite, mais gostaria de conversar com você, se puder leia o e-mail que ja te mandei, é muito importante Sandro...

Que Deus te abençoe, que Ele nos guie, e que possamos suportar esses absurdos.

Até mais ^^

Sandro Moraes disse...

Ismael, não devemos nos surpreender com a postura da mídia. Antes de tudo, politicamente analisando a questão, a mídia mundial é esquerdista (com exceções, claro), razão pela qual costuma defender os movimentos de liberação dos costumes.

Segundo, profeticamente falando, o próprio Senhor Jesus disse que os últimos dias seriam como os dias de Noé, ou seja, dias de Sodoma e Gomorra, dias de homossexualismo extremado. Esta profecia se cumpre em nossos dias, ok?

Nosso papel? Orar, denunciar, confrontar.

Márcio, já li o seu e-mail. Em breve irei respondê-lo. Abraço a todos. Deus abençoe a todos nós!